segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Eleitores podem decidir em plebiscito sobre reforma política

A Câmara dos Deputados volta do recesso esta semana com mais uma proposta para tentar destravar o debate da reforma política: um plebiscito sobre dois pontos centrais das regras eleitorais, a ser realizado em 2014.


O projeto, encabeçado pelo deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), prevê duas perguntas, uma sobre o modo de escolha de deputados e vereadores e outra sobre o financiamento das campanhas.

Os eleitores decidiriam entre o financiamento público, em que são proibidas as doações de empresas e pessoas físicas, e o privado, em que essas doações são permitidas. Haveria também uma opção por um sistema misto.

Hoje, o Brasil adota o financiamento privado, mas as legendas podem usar recursos públicos do fundo partidário para quitar dívidas de campanha. Além disso, os candidatos têm direito ao horário eleitoral gratuito, pelo qual o governo reembolsa emissoras de rádio e TV.

Para que o plebiscito ocorra, o projeto tem de ser aprovado por deputados e senadores. Mas, segundo líderes ouvidos pela Folha, ainda não há entendimento para que sua tramitação avance.

PCdoB

Nas eleições de deputados estaduais, federais e vereadores, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) defende a eleição proporcional por lista partidária pré-ordenada (ou fechada). Nesse sistema, os eleitores votam apenas nos partidos, que definem lista preordenada de candidatos. A distribuição de cadeiras entre as legendas é feita de forma proporcional.

O Partido insiste que a eleição proporcional de lista aberta – atual sistema vigente – é um modelo que já se esgotou historicamente. Já as votações de distritão, distrital e distrital misto são consideradas formas anti-democráticas porque distorcem a vontade do eleitor. O Partido defende ainda o financiamento público puro (ou exclusivo) de campanha — que proíbe as doações diretas a candidatos e partidos. As campanhas seriam financiadas por um fundo público. O relatório, no entanto, não conseguiu reunir apoio suficiente de outras legendas.

Plebiscito

O PT não está entre os apoiadores da proposta do referendo, porque tem receio de que ela esvazie ainda mais o relatório elaborado pelo petista Henrique Fontana (RS) em comissão especial sobre o tema, criada na Câmara em 2011.

O partido defende que o relatório de Fontana —que prevê voto em lista e a criação de um fundo para o financiamento das campanhas — seja primeiro aprovado no Congresso e só depois submetido a um referendo. Na consulta, a população confirmaria ou rejeitaria o que foi decidido pelos parlamentares.

Mudanças

Para Miro Teixeira, o plebiscito é importante para que as mudanças não pareçam ter sido aprovadas em benefício próprio dos legisladores.

Segundo Virgílio Afonso da Silva, professor de direito constitucional da USP, ainda que a consulta popular não seja uma exigência para as alterações, ela pode ser uma maneira de "romper o impasse" que existe sobre o tema.

Já o cientista político Vitor Marchetti, da Universidade Federal do ABC, diz que a consulta pouco acrescentaria. "Há um conjunto de elementos complexos que vão confundir o eleitor e fazer com que o plebiscito não contribua para esse debate."


Informações da Folha de S.Paulo

domingo, 29 de janeiro de 2012

Chacina de Unaí completa oito anos; acusados não foram julgados

28 de Janeiro de 2012 - 9h56

Neste sábado (28), o crime conhecido como "Chacina de Unaí" completa oito anos sem que nenhum dos nove réus tenha sido julgado pelo assassinato dos três auditores fiscais do Trabalho - Eratóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva - e do motorista Ailton Pereira de Oliveira, todos servidores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Por Bianca Pyl


Rosângela Rassy, a presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait) e Edmundo Dias, procurador da República em Minas Gerais, reuniram-se nesta quinta-feira (26) com a Juíza Federal Substituta da 9ª Vara Federal Raquel Vasconcelos Alves de Lima, responsável pelo caso, para saber o porquê de o acusado Rogério Alan Rocha Rios ainda não ter sido julgado. Em maio do ano passado, o Superior Tribunal de Justiça determinou que o réu fosse julgado, mas isso ainda não aconteceu.


De acordo com a presidente do Sinait a juíza disse que está aguardando o envio dos autos processuais originais para marcar o julgamento. A juíza afirmou, de acordo com Rosângela, que precisa ter os autos originais para ter segurança jurídica. "Ela disse que todas as providências que antecedem o Júri já estão sendo tomadas", explica.

Em novembro do ano passado, a juíza Raquel mandou ofício pedindo ao Supremo Tribunal Federal (STF) que enviasse os autos originais do processo. Os autos estão no STF por conta de um novo recurso apresentado por Hugo Alves Pimenta, em dezembro de 2011. "Ontem o STF respondeu dizendo que o ministro Ricardo Lewandowski deve apreciar em breve o recurso para remeter os autos à 9ª Vara Federal", conta Rosângela.

Cinco réus tiveram seus processos desmembrados, ano passado, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e já podem ser julgados: Erinaldo de Vasconcelos Silva, Francisco Elder Pinheiro, José Alberto de Castro, Rogério Alan Rocha Rios e Willian Gomes de Miranda. Destes, apenas José Alberto encontra-se em liberdade. Os outros estão presos na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Assim como Hugo Alves Pimenta, os réus Antério Mânica e Norberto Mânica, estão em liberdade. Antério, que foi eleito prefeito de Unaí, somente será julgado depois da conclusão do julgamento de todos os outros, e em foro especial.

O uso de incessantes recursos adia o julgamento dos acusados. "Desde o início a defesa dos acusados entra, incessantemente, com recursos protelatórios, até hoje todos negados em diversas instâncias", disse. Em entrevista à agência Repórter Brasil, Antério disse que "aguardava ansioso pelo julgamento".


Dia Nacional do Combate ao Trabalho Escravo

Como parte da programação da Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, nesta sexta-feira ( 27), o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait) e a Associação dos Auditores Fiscais do Trabalho de Minas Gerais (AAFIT/MG) marcaram um Ato Público em frente ao prédio da Justiça Federal, em Belo Horizonte (MG), às 10 horas. O local foi escolhido por ser a origem do processo contra os nove réus indiciados, e também é a instância que deverá conduzir o julgamento.

A data de 28 de janeiro foi escolhida como o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo por conta dos assassinatos dos auditores fiscais que atuavam no combate ao trabalho escravo. Há três anos, a última semana do mês de janeiro é marcada por eventos em todo o País. Este ano a semana começou com o lançamento do Manual de Combate ao Trabalho Escravo do Ministério do Trabalho e Emprego.Na opinião de Rosângela, que é auditora fiscal e atuou na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Pará (SRTE/PA), o caso de é emblemático. "Sempre soubemos do risco da profissão, mas a partir do momento em que houve um crime tão bárbaro e o Estado não responde a altura julgando os culpados, a preocupação aumenta", desabafa.

Os três auditores fiscais - Eratóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva - e o motorista Ailton Pereira de Oliveira, todos servidores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) estavam em uma estrada da zona rural na região de Unaí (MG), quando foram assassinados por tiros à queima-roupa.O grupo estava fiscalizando fazendas de feijão.

Fonte: Repórter Brasil

sábado, 28 de janeiro de 2012

Celebrar a luta do povo, festejar os 90 anos do PCdoB

Reunida em São Pualo nesta sexta-feira (27), a Comissão Política Nacional do PCdoB aprovou uma nota em que faz um chamamento aos militantes, amigos e o povo brasileiro a se incorporarem nos festejos comemorativos do 90º aniversário do partido



Neste ano de 2012, a legenda partidária de mais longa presença na história brasileira comemora a épica passagem de 90 anos de sua fundação.

Em 25 de março de 1922, na cidade de Niterói, Rio de Janeiro, pelas mãos de um grupo de intrépidos trabalhadores nasceu o Partido Comunista do Brasil. Seu itinerário de 90 anos de lutas se funde com as diferentes etapas da história do país. Constante nesta trajetória é a bandeira do socialismo que nos seus punhos se manteve sempre alta. Socialismo que, na atualidade, – rejuvenescido e renovado pela experiência histórica – é apresentado pelo PCdoB como a alternativa capaz de assegurar um novo avanço civilizacional para o Brasil – salto este que hoje tem por caminho a realização do Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento.

Esta trajetória que vem desde a República Velha, atravessa ditaduras, regimes autoritários, pequenas ilhas de liberdade, até a contemporaneidade – quando, desde 1985, o PCdoB vive seu período mais duradouro de atuação legal –, resulta num legado de batalhas e realizações em prol da democracia, da soberania nacional, dos direitos dos trabalhadores, da paz e da solidariedade entre os povos. Tal legado é fruto da militância revolucionária de várias gerações de comunistas nas quais estão presentes inúmeros heróis do povo brasileiro.

Desde os fundadores de 1922 – simbolicamente personalizados no talento de Astrojildo Pereira – aos que o dirigiram nos tumultuados e enriquecedores anos de meados do século passado – cuja expressão é o destacado líder popular, Luiz Carlos Prestes –, até o período recente quando se agiganta o papel de João Amazonas como construtor e ideólogo do Partido Comunista que vicejou e se projetou para o século 21.


Conforme a tradição de nossa gente de festejar quando as colheitas são boas, o PCdoB convida o povo, suas personalidades e forças sociais e políticas democráticas e progressistas, para participarem da agenda de eventos e festejos comemorativos dos 90 anos do Partido Comunista do Brasil. É uma festa dos comunistas, dos trabalhadores; é uma festa da democracia brasileira da qual o PCdoB tem sido um guardião, mesmo à custa de muitas vidas. Os democratas, os patriotas são todos bem-vindos às comemorações deste acontecimento histórico.

Atos de alegria e confraternização irão ocorrer por todo este país continental, de Norte a Sul. De formas diversas, mas com semelhante regozijo, irão se manifestar entre os operários e assalariados; entre os sertanejos e os camponeses; entre a juventude, as mulheres, os intelectuais; enfim, entre o povo brasileiro de toda parte! Cada um, ao seu modo, irá fazer ecoar o legado dos comunistas, tão bem sintetizado num poema de Pablo Neruda, o poeta chileno, quando diz que o Partido deu voz, boca e ação aos humildes e oprimidos. Com o Partido,

"O escravo sem voz nem boca,
o extenso sofrimento,
se fez homem, se chamou Povo,
Proletariado, Sindicato,
ganhou pessoa e postura".

É justamente isto que tem feito o Partido nestas nove décadas de existência.

A agenda nacional de comemorações está definida e em acelerada preparação. Eis a programação:

1) Festa nacional dos 90 anos do PCdoB. Festa com programação cultural e política. Dia 24 de março, na cidade do Rio de Janeiro, na Casa VIVO RIO, a partir das 19 horas. Presença de representações do Partido de todo o país. Serão convidados aliados e amigos e delegações internacionalistas.

2) Sessão Especial do Congresso Nacional em homenagem aos 90 anos do Partido Comunista do Brasil, PCdoB. Brasília, Plenário das Sessões do Senado Federal, dia 26 de março, às 17 horas. Presença de delegações do Partido de todo o país. Serão convidados: dirigentes partidários, lideranças parlamentares e do movimento social, autoridades dos Poderes da República, convidados internacionalistas e representações diplomáticas.

3) Exposição Iconográfica: 90 anos de história do PCdoB. Brasília, Câmara dos Deputados, de 15 a 31 de março. (Haverá uma versão compactada desta exposição que poderá ser confeccionada separadamente e exposta em todo o país.)

4) Seminário PCdoB 90 anos: história, legado, marxismo e Programa Socialista. São Paulo, SP, dias 20 e 21 de abril. Auditório da Universidade Paulista, UNIP, Unidade Vergueiro. Presença de quadros e militantes de todo o país e convidados.

5) Programa de TV e Rádio alusivo aos 90 anos do PCdoB, dia 29 de março, às 20:30 horas, duração de 10 minutos. As organizações do Partido devem promover eventos em todo país para se assistir o programa, seguido de debates, atos e festas locais de comemoração.

As direções partidárias, o coletivo militante, todos são chamados ao engajamento entusiástico pelo êxito das comemorações que devem ser um acontecimento na vida do Partido e da sociedade. A vitória requer o empenho pela vitória dessa agenda nacional e, também, por uma rede de eventos nos estados e municípios que deve ser desde agora preparada. Exige também o esforço para a campanha de finanças com a venda do Bônus dos 90 anos.

As comemorações devem materializar o papel político crescente da legenda comunista no Brasil de hoje e o esforço pela educação ideológica de suas fileiras militantes. As responsabilidades que exerce perante o povo e a Nação, desde sua presença no governo da presidenta Dilma Rousseff até sua atuação e seus vínculos com a luta dos trabalhadores e ao valor que atribui à batalha de ideias.

Festejar os 90 anos do PCdoB é celebrar a luta do povo, força motriz das grandes mudanças! Enaltecer seu legado e sua história anima e alimenta de energia transformadora a atual geração de revolucionários em face das batalhas do presente e dos desafios do futuro!

São Paulo, 27 de janeiro de 2012

A Comissão Política Nacional do Partido Comunista do Brasil-PCdoB

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Dilma exalta participação dos movimentos no fórum em Porto Alegre

Onze anos depois da primeira edição do Fórum Social Mundial, quando era secretária do governo Olívio Dutra (PT), Dilma Rousseff retorna à Porto Alegre como presidente da República para falar para cerca de 5 mil pessoas, no Ginásio de Esporte Gigantinho, que participam do  Fórum Social Temático 2012. Ela defendeu a participação da sociedade nas discussões sobre desenvolvimento sustentável e a soberania da América Latina diante das pressões econômicas mundiais.


Dilma no Fórum Social Temático 2012 Dilma Rousseff aplaude movimentos sociais no Gigantinho, em Porto Alegre/foto: Blog do Planalto

Dilma Rousseff foi recebida ao som de gritos de guerra como "Olê olê olê olê, Dilma, Dilma" e "Dilma Guerreira da Pátria Brasileira" que compunham o ambiente repleto de faixas e cartazes. O ex-presidente Lula, que também visitou o evento enquanto presidente da República, também foi lembrado pelo coro dos presentes nas arquibancadas.

“O papel da sociedade civil será determinante para a realização da Rio + 20. Eu tenho certeza, um outro mundo é possível”, disse a presidente. Ela lembrou que a esperança foi o que a moveu quando era militante, e que essa  mesma esperança tem em relação à conferência.

Dilma Rousseff considerou que o encontro em Porto Alegre, que discute propostas que serão levadas à Cúpula dos Povos, evento alternativo à Conferência Rio+20, da ONU, onde todos os países devem discutir e determinar novas metas de sustentabilidade para a redução do aquecimento global, ganhou força diante do cenário atual de crise mundial.

Ainda sobre a crise, lembrou que durante a primeira edição do FSM o que se discutia era a crise que ainda estava por vir. “Ela se tornou real desde 2008. Mas, nesses últimos anos surgiram respostas progressistas e democráticas para enfrenta-la”, disse a presidente da República, que discursou durante cerca de 30 minutos.

Depois de fazer uma exposição sobre o cenário internacional econômico, mencionou as conquistas e transformações que estão em curso nos últimos anos na América Latina e mandou um recado: “Nossos países não sacrificam sua soberania frente à pressão de grupos financeiros e agências de classificação de risco”.

Ela recordou os tempos de recessão enfrentados pelo Brasil e países da América do Sul por causa das soluções técnicas do sistema financeiro. As mesmas que estão sendo adotadas agora na Europa.

Voltando a falar da sociedade civil organizada, falou dos movimentos recentes surgidos no mundo, contra o capital financeiro e o desemprego, que ocupam as praças das capitais de países como Estados Unidos e Espanha, como um sintoma importante que não pode ser desconsiderado. 

"Não é fácil produzir novas ideias e alternativas quando estamos dominados por preconceitos políticos e ideológicos. Nos anos 80 e 90, foram eles que impeliram os países da América Latina a um modelo conservador que levou nosso país à estagnação, aprofundando a pobreza, o desemprego e a exclusão social. Hoje, são essas receitas fracassadas que estão sendo adotadas na Europa”, falou Dilma, sendo bastante aplaudida por militantes de organizações sociais e partidos políticos presentes.

A presidente Dilma mencionou a melhora dos indicadores econômicos do Brasil afirmando que está se tornado em “um país de classes médias”. “O Brasil é hoje um outro país. Ninguém pode nos tirar isso. Somos hoje um país mais forte, mais desenvolvido e mais respeitado”. Porém, lembrou que é preciso corrigir a condenação ao baixo desenvolvimento de uma parte do país, o Norte e o Nordeste.

Sustentabilidade e desenvolvimento

A presidente frisou que é possível “crescer, incluir, proteger e conservar” e deu novo significado a palavra sustentabilidade, afirmando que “ significa o aprofundamento dos mecanismos de participação social e o fortalecimento da nossa democracia, e uma inserção soberana e competitiva no mundo.”

“Queremos que a palavra desenvolvimento apareça ao lado da palavra sustentabilidade”, completou.

Com relação à Rio+20, ressaltou que será um momento importante para a renovação de ideias. "A Rio + 20 vai enfrentar uma questão mais ampla e decisiva. Um novo modelo de desenvolvimento nas suas dimensões econômica, social e ambiental", pontuou.

Ela frisou que é preciso encontrar um modelo de desenvolvimento que articule crescimento, geração de emprego, erradicação da pobreza e redução das desigualdades, além da ampliação de direitos na área de Educação, Saúde e inovação tecnológica, visando o uso sustentável e a preservação dos recursos ambientais.


de Porto Alegre
Deborah Moreira

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Marinha deve cobrar mais segurança nas embarcações

O número de acidentes no mar, nos faz refletir, a marinha deve exigir dos donos de embarcação investimentos em segurança. Além de coletes, também, aparelhos de localização. O governo federal e os governos estaduais com suas secretarias de pesca devem criar uma linha de crédito para este investimento.

Familiares dos pescadores de SFI se desesperam após supensão das buscas

Bianca Alonso
Silesio Correa
“Todos os dias vou para a beira do mar e fico olhando na esperança de vê-los voltar. Está sendo muito difícil, não sei como vou fazer para superar esta situação”. Com essas palavras, Delpídio de Oliveira, de 73 anos, pai e avô de dois dos cinco pescadores desaparecidos de Barra do Itabapoana, relata o sentimento de não ter o filho e o neto por perto

Na última quarta-feira, após dez dias de buscas, a Marinha do Brasil divulgou a suspensão da procura pelos cinco homens. Segundo eles, o tempo estipulado de 72 horas foi ultrapassado e a possibilidade de encontrar os pescadores com vida é remota. Ainda de acordo com a Marinha, as buscas podem ser retomadas se algum fato novo aparecer.

Silesio Correa
Os familiares dos pescadores estão inconformados com a suspensão, segundo eles, nenhum corpo foi encontrado o que ainda é motivo para ter esperança. Para Dalva, mãe de Clayton de Oliveira Ventura, de 28 anos e irmã de Dídimo de Oliveira, de 49 anos, a vida nunca mais será a mesma.

— Toda vez que eles voltavam de dias de pesca era uma festa. A família e os amigos se reuniam para comemorar a boa pesca. Meu filho começou a pescar com 16 anos. Ele fez cursos, mas o grande sonho dele sempre foi ser pescador, tanto é que ele era visto como um grande pescador pelos mais antigos. Agora nunca mais vamos conseguir reunir todos para uma comemoração, em todo lugar que passamos lembramos-nos deles — contou.

De acordo com Dalva, os filhos de Clayton, um de oito e outro de cinco anos, apesar de novos, já sentem o que está acontecendo. “Quando falamos sobre o pai com o mais velho ele pede pra gente mudar de assunto, não gosta de falar. Já o mais novo repete várias vezes que quer mostrar ao pai o celular novo que ganhou. É uma situação muito complicada”, relatou.

Além de Clayton e Dídimo, também estavam no barco Ivan Lins Guimarães Curitiba, 22 anos, Rondinele Mota da Conceição, 32 anos e Claudemir Ferreira Mota (Mico), 41 anos. Eles desaparecem no último dia 14, eles saíram de Barra de Itabapoana, distrito de São Francisco. O último contato foi feito durante a madrugada com eles pedindo socorro pelo rádio. O casco da embarcação “Marimanda” foi encontrado no último domingo, dia 15, a cerca de 120 Km de Arraial do Cabo, na Região dos Lagos.

"Não era para ele ir" - Dalva contou que Dídimo não queria mais ser pescador e esta era a última viagem dele para pescar. “Meu irmão disse que não queria mais essa vida, não era para ele ir nesta viagem. Quando ele me falou que tinha cansado desta vida de ir para o mar, eu consegui um emprego para ele perto da nossa casa, ele estava todo feliz. Ele combinou com outro rapaz para ir no lugar dele nesta viagem que já estava programada, como aconteceu um imprevisto e a pessoa não pôde ir no lugar dele, ele me disse que ia fazer a última pesca dele”, contou.

Os moradores de Barra do Itabapoana estão desolados com o caso dos cinco pescadores. Um grupo musical que estava programado para se apresentar no último final de semana, cancelou o show e declarou luto pelos cinco homens.

Pai de Dídimo e Avô de Clayton, Delpídio sempre foi uma pessoa alegre. Mesmo com 73 anos, era o responsável pela música das reuniões de família, já que canta e toca vários instrumentos.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Entidades lançam manifesto em defesa da educação e da saúde brasileira

Depois de uma série de manifestações organizadas pelos estudantes da Universidade Gama Filho (UGF) e do Cento Universitário da Cidade (UniverCidade) em conjunto com a União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Estadual dos Estudantes do Rio de Janeiro (UEE-RJ) e o Sindicato dos Professores (SINPRO-RIO), aconteceu, na noite da última quarta-feira (18/01), o lançamento, por parte de um conjunto de entidades do movimento social, do Manifesto em Defesa da Educação e da Saúde Brasileira.

O evento aconteceu na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e tratou do caso dos mais de 400 profissionais demitidos por telegrama pela Universidade Gama Filho e UniverCidade, no final do ano passado e do aumento abusivo das mensalidades das instituições.

Na última semana, após denúncia do SINPRO-RIO, a Justiça suspendeu as dispensas coletivas pois elas não foram precedidas de tentativa de negociação e deveriam ter sido submetidas aos Conselhos Universitários, caracterizando violação do art. 53 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Na hipótese de não ser cumprida a decisão por parte do Grupo Galileo, a Justiça estipulou o pagamento de multa de R$ 5 mil por cada professor. Uma outra liminar, conseguida pelos estudantes, também cancela o aumento das mensalidades indicando que as mesmas não poderiam ser aumentadas em índices superiores ao IGPM acumulado em 2011 (5,0977%).

O Diretor da UNE, Edson Santana, disse que a "União Nacional dos Estudantes e a União Estadual dos Estudantes do Rio de Janeiro vão continuar firmes na luta contra a mercantilização da educação e que a luta dos estudantes da Gama Filho deve servir de exemplo para os demais estudantes da rede privada de ensino que não são obrigados a aceitar a política de aumentos abusivos das mantenedoras". Igor Mayworm, Presidente da UEE-RJ, valorizou o manifesto e disse que "a unidade entre as diversas entidades do Movimento Social é fundamental para que seja alcançada a vitória! Juntos, os estudantes, professores, jornalistas, médicos e todos os segmentos representados na plenária vão conseguir barrar a política de reajustes abusivos e demissões em massa implementadas pelo grupo Galileo."

Confira abaixo o Manifesto em Defesa da Educação e da Saúde Brasileira.

Manifesto em Defesa da Educação e da Saúde Brasileira

As entidades, alunos, professores e funcionários, abaixo reunidos, vêm denunciar à sociedade brasileira os desmando praticados pelo grupo Galileo Educacional após a nebulosa operação de fusão da Universidade Gama Filho e da UniverCidade, que resultou na demissão de um alarmante número de professores e funcionários administrativos no apagar das luzes de 2011.

Observamos, com preocupação, a reestruturação da educação brasileira que permite, há alguns anos, seu controle por grupos financeiros nacionais ou estrangeiros, bancos e fundos múltiplos de investimentos. Uma lógica perversa de submissão da Educação aos ditames empresariais, que tenta transformar educação em mercadoria. Como negócio, esse modelo de educação, dotado de cunho empresarial, tem apenas um objetivo: o lucro. Tendo este como princípio, a preparação intelectual e cultural, bem como a qualidade da formação profissional de gerações se encontram comprometidas. Quando o lucro dita a regra, deixa-se de se debater projetos de sociedade para se discutir mercado; deixa-se de se orientar pelo princípio da solidariedade para ser regido pela competição.

Observamos que estas corporações educacionais, contraditoriamente, são de caráter filantrópico, o que as permitem ser agraciadas pelo Estado brasileiro com isenção de impostos, o que significa financiamento público indireto.

Entretanto, o princípio da orientação da educação pelo lucro, em uma inversão clara dos conceitos de filantropia, tem penalizado os professores e funcionários com o reiterado descumprimento da legislação educacional e trabalhista. Mais grave, a instituição de um ambiente de terror acadêmico provocado pela demissão do presidente da ADGF (Associação Docente Gama Filho), cerceando o direito dos professores a livre organização por local de trabalho.

A política de demissões em massa praticada pelo grupo Galileo que afetou os diferentes cursos – Medicina, Direito, Administração, Enfermagem, Comunicação – evidencia a selvageria e ausência de responsabilidade social dos gestores das "empresas" educacionais que compõe o grupo Galileo, a saber: Galileo Administração de Recursos Educacionais S.A e Galileo Gestora de Recebíveis SPE.

O curso de Medicina, especificamente, foi afetado pela ferocidade deste grupo em face das demissões de 178 médicos docentes que prestavam serviços na Santa Casa de Misericórdia, provocando o desmantelamento dos serviços médicos prestados à população por esta instituição centenária do Rio de Janeiro.

Em face de todas as denúncias apresentadas junto ao Ministério Público, obtivemos uma grande vitória na última semana. Foi concedida liminar pela reintegração dos docentes da UGF.

Pelo exposto, reivindicamos a atenção urgente do Estado brasileiros na interposição de limites às liberdades absolutas das corporações financeiras atuantes no setor da educação brasileira, que se constituem a partir de transações negociais milionárias e obscuras, vilipendiando interesses da sociedade e do Estado. Educação e saúde não são mercadorias, aluno não é estoque!

Assinam esse manifesto:

UNE - União Nacional dos Estudantes
UEE-RJ - União Estadual dos Estudantes do Rio de Janeiro
Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro
SINPRO-RIO - Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro e Região
Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro
Sindicato dos Enfermeiros do Rio de Janeiro
Sindicato dos Advogados do Rio de Janeiro
Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar do Rio de Janeiro
Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro
ABI - Associação Brasileira de Imprensa
FETEERJ -Federação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino no Estado do Rio de Janeiro

O passado que a Argentina enfrenta com a coragem que aqui não há


A frase inesperada congelou a plateia colorida de azul, branco e marrom cáqui que lotava na segunda-feira, 12 de dezembro, o Salão San Martín, o espaço nobre do Edifício Libertador, sede do comando do Exército em Buenos Aires. Perfilados diante do ministro da Defesa, Arturo Puricelli, os brigadeiros, almirantes e generais do Alto Comando das Forças Armadas argentinas ouviram, crispados, a sentença súbita e cortante da autoridade que subvertia o rígido protocolo castrense:


Família Forti Nélida Azucena Sosa de Forti: presa no avião quando saía do país com os 6 filhos


"Juro por la pátria, mi madre y los 30 mil desaparecidos!", improvisou o advogado e diplomata Alfredo Waldo Forti, 61 anos, ao prestar o juramento de praxe para renovar seu mandato como Secretário de Assuntos Internacionais da Defesa. Nenhum militar aplaudiu, mas nenhum protestou. Todos respeitaram a frase atrevida de Forti, que dava ali o seu corajoso testemunho pessoal diante da corporação fardada que legou à Argentina, no período da chamada ‘guerra suja’ de 1976 a 1983, o desonroso título de ditadura mais sangrenta entre os regimes militares que sufocaram a democracia no Cone Sul do continente, na segunda metade do Século 20.

Forti e sua mãe são símbolos dessa violência — ele como sobrevivente, ela como um nome a mais na multidão de desaparecidos políticos no período da repressão militar. A bela morena Nélida Azucena Sosa de Forti, ex-integrante dos Montoneros, o movimento guerrilheiro da esquerda peronista, tinha acabado de embarcar no voo 284 da Aerolíneas Argentinas que sairia do aeroporto de Ezeiza rumo a Caracas, na manhã de 18 de fevereiro de 1977.

Fugindo do clima político cada vez mais fechado do país, desde o golpe militar desfechado um ano antes, Azucena levava consigo os seis filhos, de 6 a 16 anos, incluindo Alfredo, o mais velho. Já com os cintos afivelados para a decolagem, tiveram que desembarcar, chamados de repente para resolver ‘problemas de documentação’. A mãe e as crianças foram recebidas por agentes armados da polícia de Buenos Aires, subordinada ao Primeiro Corpo de Exército. Com os olhos vendados, foram colocadas em dois carros e levadas para o Pozo de Quilmes, um quartel da Brigada de Investigações da polícia localizado numa cidade da região metropolitana, ao sul da capital.

Faca no voo

Forti para Bussi: "Não tenho problema nenhum em cravar a faca cinco vezes em você. Mas a formação que recebi de minha mãe me diz que esta não seria a maneira certa"

Uma semana depois, as crianças reapareceram, vendadas com lençol e amarradas na árvore de uma praça no Parque Patrícios. Azucena ainda foi vista por um prisioneiro de Quilmes na primeira semana de março, até ser transferida para a chefatura de polícia de San Miguel de Tucumán, sua cidade de origem, 1.300 km a noroeste de Buenos Aires. A ordem de prisão e transferência para Tucumán partiu do general Antonio Domingo Bussi, que comandava a repressão mais feroz à guerrilha rural mais ativa do país na menor província da Argentina.

Azucena foi vista com vida, pela última vez, no centro clandestino de detenção conhecido como Arsenales, na saída norte da cidade, onde funcionava a Companhia de Arsenais Miguel de Azcuénaga, da V Brigada de Infantaria. Era um típico campo de concentração, cercado por duas cercas de alambrado separadas por uma faixa de terra vigiada por soldados e cães e altas torres de sentinelas.

Alfredo Forti e seus cinco irmãos nunca mais tiveram notícias de Azucena. No final da década de 1990, advogado com banca em Washington e consagrado assessor político dos governos do Peru, Equador e Guatemala, ele descobriu que dividia casualmente o mesmo voo da Aerolíneas com o algoz de sua mãe, Bussi, então um septuagenário general reformado. Naqueles tempos, a refeição era servida com talheres de metal, não de plástico. Em pleno voo, Forti deixou sua poltrona e foi até onde se sentava o general. Sem se apresentar, inclinou-se sobre ele, entreabriu o paletó e lhe disse:

Até o parceiro norte-americano exigia explicações sobre a mãe de Forti

"Estás vendo esta faca? Não tenho problema nenhum em cravá-la cinco vezes em você. Mas a formação que recebi de minha mãe me diz que esta não seria a maneira certa de resolver as coisas. Eu quero te ver apodrecer no cárcere!",amaldiçoou Forti, deixando para trás, tremendo, o homem que fazia a Argentina estremecer na década de 1970.

Caso americano


O nome de Bussi fazia abalar o prestígio da Argentina até nos Estados Unidos, no auge da ditadura. O National Security Archive da Universidade George Washington revelou, em 2002, o conteúdo de 4.600 documentos secretos do Departamento de Estado que abordavam violações de direitos humanos no país. O telegrama 04997 que a Embaixada em Buenos Aires enviou a Washington, no dia 29 de junho de 1978, relacionava os nomes de 103 pessoas das quais o governo norte-americano exigia informações. Um dos “casos de direitos humanos de interesse para os Estados Unidos” era o nº 71-77-5, de Nélida Azucena Sosa de Forti, com o status de “desaparecida”.

Fonte: O outro lado da notícia, por Luiz Cláudio Cunha, especial para Sul21

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Para a direita é mais fácil transmitir medos do que ideias

A candidata às eleições presidenciais de 2012 na França, Marine Le Pen, da Frente Nacional (FN), partido mais à direita no espectro político francês, está se revelando cada vez mais odiosa e mais perigosa que seu papai, Jean Marie Le Pen.


 
Por Maria Quitéria Turcios*



O tom da campanha de Marine é preconceituoso, em todos os sentidos possíveis do termo. Para se ter uma ideia de como seu programa é conservador, a candidata diz que tem que haver uma escala de penas para os crimes e a pena de morte é uma dessas escalas, mostrando que é a favor dessa prática de barbárie.

Em um dos pontos que diz respeito aos movimentos sociais, Marine Le Pen diz que em universidades e escolas do ensino médio deve haver portões com detector de metais e os alunos devem ser revistados. Tudo isso para controlar e sufocar o movimento estudantil. Na foto de campanha da FN, podemos ver que há dois lados opostos e uma frase abaixo: “Choisis ta France” (escolha sua França), apresentando duas visões do país.

Do lado esquerdo, há a figura de um jovem aparentemente mal vestido, com um boné sujo e velho. O rapaz está sentado no banco e com o rosto escondido, lê um jornal. O que será que está lendo? Vendo ao seu lado, uma mala velha e seu par de tênis pendurado, podemos concluir que o jovem não está lendo sobre a cotação do euro e muito menos sobre seu signo na parte do horóscopo semanal. Provavelmente, ele é algum imigrante em busca de emprego na França.

Atrás do jovem, vemos uma cena apocalíptica, com muito fogo, um carro capotado em chamas e pessoas em volta, como se estivessem protestando. Essa cena é para fazer alusão à revolta dos jovens da periferia francesa em 2005, ocasião em que queimaram carros, através da violência urbana, decorrente da indignação por não terem oportunidade de se integrarem à sociedade francesa e por sofrerem uma discriminação sem precedentes. Esses jovens são, em sua maioria, franceses originários do norte da África, a região conhecida como Magreb.

Sentados no mesmo banco, porém, ao lado direito, encontra-se um casal apaixonado, curtindo a paisagem linda de uma cidade campestre. O lado esquerdo representa o mal, o inferno (representado pelo fogo), o diabo, os cruéis, a sujeira, a pobreza, ou seja, os imigrantes, estrangeiros, negros, muçulmanos e os baderneiros de esquerda. O lado direito é o lado do bem, dos bons, da ordem, de deus e da limpeza, representados pelo casal branco e jovem.

O desemprego em massa, a pobreza, falta de oportunidades e a perda de direitos sociais dos trabalhadores são fatos inerentes à própria natureza selvagem do capitalismo, que agora tem na União Europeia o epicentro de sua crise. Sobre tal terreno social, muitos europeus e principalmente os trabalhadores estão vivendo em um mundo de frustrações, medo e incertezas.

Nessa conjuntura, a FN evoca em seus discursos a ideologia do protecionismo e da defesa às minorias, dá a entender que quer resolver os problemas cotidianos das classes populares e fala de coisas que estas conhecem bem. Entretanto, seu programa é extremamente xenofóbico, reacionário e demagógico. Como toda direita, o partido de Madame Le Pen quer mostrar que o capitalismo é invencível e usando de argumentos preconceituosos, projeta nos muçulmanos, ciganos, estrangeiros, imigrantes e principalmente nos povos árabes, a consequência da França estar “mal das pernas”.

Esse partido da direita descarada quer fazer uma lavagem cerebral na cabeça dos franceses, mostrando que essas minorias causam badernas, promovem a crise, que são uma concorrência no mercado de trabalho e que, com Marine Le Pen na presidência, o princípio seria o da preferência nacional, ou seja, os postos de trabalho para o povo francês, sem apresentar concorrência dos intrusos.

Tanto para o fundador da FN, seu pai Jean-Marie Le Pen, quanto para a filha, les enfants de la patrie, as crianças da pátria francesa não são todas francesas e isso é um problema, pois para este partido de extrema-direita, a nação não deve ser um país de destino dos imigrantes, mas deve ser restaurada em um sentido étnico do termo, mostrando uma xenofobia carregada de preconceitos.

Um dos objetivos da análise do discurso, campo ligado à linguística, é analisar as construções ideológicas presentes no texto, seja pelo escrito ou pelo não verbal, através de imagens, figuras e desenhos. Nessa imagem, o discurso do não verbal, simbolizado pela divisão do banco e pelos dois lados antagônicos, mostra a essência da extrema-direita: a separação, oposição, o distanciamento e a não integração. É por isso que os franceses não podem baixar a guarda e devem combater a Frente Nacional, em todas as frentes.

*Maria Quitéria Turcios é mestranda em Linguística pela Université d´Avignon et des Pays de Vaucluse, França.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Petrobrás: Mais produção! Mais royalties! Mesmos problemas.

Petrobras tem produção recorde no Brasil


A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (19) que a produção média de petróleo e gás natural da empresa no Brasil em 2011 atingiu o volume recorde de 2.376.359 barris de óleo equivalente por dia (boed). O crescimento sobre o volume produzido em 2010 é de 1,6%.


Segundo a petrolífera, a produção exclusivamente de petróleo também foi recorde anual. A média diária alcançou 2.021.779 barris, ultrapassando em 17.607 barris a produção de 2010. O volume de gás natural (sem gás liquefeito) produzido pela empresa no País foi de 56 milhões 374 mil metros cúbicos/dia, 6,2% acima da produção de 2010.

Quando se inclui o volume dos campos também em outros países, a média diária total da companhia em 2011 subiu para 2.621.209 boed, 1,4% acima do volume produzido em 2010. Em dezembro de 2011 foram produzidos, em média, 2.084.262 barris/dia de petróleo, com um aumento de 1,1% sobre o mês anterior. Já em relação a gás natural (sem gás liquefeito), o volume foi de 60 milhões 664 mil metros cúbicos, superior em 5,3% à de novembro.

De acordo com a Petrobras, o aumento da produção de petróleo em dezembro resultou, entre outros fatores, da entrada de novos poços nas plataformas P-57 (Jubarte) e P-56 (Marlim Sul), ambas na Bacia de Campos, e do navio plataforma Angra dos Reis, no campo de Lula, pré-sal da Bacia de Santos.

Com informações do Terra

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Três vendas, solucionar o problema é preciso

Vamos ver o poder de negociação e a vontade politica de resolver os problemas da população, agora!!!!


Minha Casa, Minha Vida dará prioridade a desabrigados por chuvas


O governo federal promete dar prioridade no programa Minha Casa, Minha Vida às famílias que tiveram imóveis destruídos pelas chuvas em Minas Gerais e Rio de Janeiro. Segundo Fernando Bezerra, ministro da Integração Nacional, a demanda estimada é de 3 mil unidades habitacionais. Um grupo de acompanhamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) deve definir a medida.


O governo federal quer ainda antecipar de 2014 para este ano a conclusão do mapeamento geológico de 250 municípios de diferentes regiões do país. O objetivo é avaliar os riscos de desabamentos e alagamentos provocados por tempestades. A demanda para acelerar o processo foi colocada pela presidenta Dilma Rousseff ao ministro Bezerra, que preferiu evitar apresentar prazos antes de saber o tamanho da equipe disponível para a tarefa.

As chuvas em estados como Minas Gerais e Rio de Janeiro desde o início do ano motivaram a decisão de agilizar o levantamento. A Casa Civil coordenará reunião com a Petrobras e representantes de universidades federais para avaliar a possibilidade de se reunir mais geólogos habilitados ao trabalho. A decisão foi anuncida nesta quarta-feira (18) após reunião entre representantes dos ministérios da Integração Nacional, Ciência, Tecnologia e Inovação e do Meio Ambiente.

Bezerra afirma que, a partir do mapeamento concluído, o poder público terá condições melhores de analisar riscos, até de remover famílias de regiões ameaçadas de desabamento e de outros tipos de desastre natural.

Além disso, São Paulo e Santa Catarina terão a instalação de unidades do Centro de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, por causa da previsão de aumento de pluviosidade. O ministério deve transferir ainda R$ 25 milhões para Minas Gerais, para obras de recuperação de estragos provocados por tempestades nos últimos dias.

Fonte: Rede Brasil Atual

Copa do Mundo, estamos avançando

Ronaldo critica "onda negativa": obras da Copa estão muito bem


Membro do Conselho de Administração do Comitê Organizador Local do evento (COL), o ex-jogador Ronaldo visitou, durante a semana, as obras dos estádios de Fortaleza e Salvador e saiu otimista das vistorias. Ronaldo aproveitou para criticar a "onda negativa" com a qual a imprensa vem tratando o assunto. 


"Logicamente sempre fui muito preocupado em me informar sobre tudo o que acontece no meu País e antes de entrar no comitê ouvia coisas ruins sobre estádios, que as obras estavam todas atrasadas. Enfim: o que percebo com a visita que fiz aos dois estádios é que está vindo uma certa onda negativa sobre as obras", afirmou Ronaldo.

A semana do maior artilheiro da história das Copas do Mundo foi movimentada. Na última segunda-feira, participou em Brasília de uma reunião com autoridades cujo foco era a organização do Mundial. Na terça, ele visitou pela manhã as obras do Estádio Castelão, em Fortaleza, e pela tarde as da Arena Fonte Nova, em Salvador.

Ambas as cidades estão confirmadas como sede da Copa do Mundo - para a Copa das Confederações, a capital cearense também se vê garantida, enquanto que a baiana também será agregada caso conclua as obras dentro do prazo.

Do Nordeste, Ronaldo saiu muito satisfeito com o que viu, conforme contou nesta quinta, quando concedeu entrevista coletiva no Rio de Janeiro ao lado de Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa, e Aldo Rebelo, ministro do Esporte.

"A grande realidade é que as obras estão indo muito bem. Os estádios vão estar prontos no prazo, os operários estavam sempre muito orgulhosos por estarem lá trabalhando. Essa é a grande realidade que vi e acompanhei. Fiquei muito orgulhoso disso tudo e vamos fazer uma excelente Copa do Mundo", concluiu Ronaldo.

Com Terra

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Recapeamento: a completa falta de planejamento numa simples obra


Do blog do
Roberto Moraes


Mais uma de um dos leitores-colaboradores do blog:

"Caro professor Roberto,
A prefeitura tem realizado nestes últimos dias o recapeamento asfáltico de algumas ruas. Mas o que me intriga é a técnica usada. Estão colocando uma nova camada sobre a existente, elevando o nível da rua acima ao da calçada. Nestas fotos que envio, da Rua do Barão, o nível da rua está acima ao da calçada. Imagine o que pode acontecer quando houver uma chuva mais forte. Por quê não fizeram como na beira-valão, onde retiraram a camada de asfalto antiga?

Do seu leitor,
Joseph K. Ferreira."

A propósito, onde estão as placas informando valor e execução das obras nessas ruas? O mesmo vale pra Rua do Leão. Se existem, não ganharam a devida publicidade.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA SOCIALISTA DO PCdoB

Quinta-feira, 19 de janeiro as 18 horas.

Iniciando os trabalhos de formação politica no ano de 2012, o camarada Marcos Costa secretário estadual de formação politica e propaganda, apresentará o vídeo e coordenará os debates sobre o Programa Socialista do PCdoB, o evento terá participação da direção partidária, lideranças e convidados.

Os temas debatidos serão:
  • 500 anos de muita luta;
  • A encruzilhada brasileira;
  • Por que o socialismo;
  • O novo projeto nacional de desenvolvimento;
  • Ser militante do PCdoB.

O evento será na sede do PCdoB – Campos
Av. Alair Ferreira, 59 (28 de março) no bairro Turf-Club
sentido praias

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

E as obras inauguradas em Ururaí. Resolveu ou não resolveu o problema de enchente??????????

Rio Ururaí e Lagoa de Cima preocupam Defesa Civil


Antonio Cruz
O nível do rio Ururaí subiu e as casas da população ribeirinha já foram tomadas pelas águas, na manhã desta sexta-feira (13). Por volta das 14h, o nível do rio era de 3,62m. Anteriormente, as cotas eram de 3.57m e 3.53m, sendo o nível de transbordo 3,80 metros.

Há uma semana, equipes da secretaria da Família e Assistência Social estiveram em Ururaí para cadastrar os moradores das áreas de risco para que as famílias fossem removidas para o conjunto habitacional Morar Feliz do Novo Jóquei. O cadastro gerou insatisfação em muitas famílias, que não querem sair de suas casas para morar em um bairro distante. Em Lagoa de Cima, o nível do rio também subiu.

Com relação às famílias que resistem em ficar nas casas alagadas, a assessoria da secretaria de Família e da Assistência Social informou que elas assinaram termo de responsabilidade, que será encaminhado à Procuradoria do Município e posteriormente ao Ministério Público.

Equipes da concessionária que administra a rodovia BR 101 estão fazendo a medição do rio Ururaí a cada duas horas.

Assim como no ano passado, a Prefeitura de Campos iniciou na manhã desta sexta-feira (13) A dragagem do canal do Cacomanga, na Comunidade do Brilhante, que passa pelo distrito de Ururaí. A concessionária de água da cidade também atuou próximo ao canal, fazendo a limpeza da rede de esgotos. Segundo a Defesa Civil, o nível de toda a bacia do rio Ururaí está subindo por causa das frequentes chuvas que caíram na serra do Imbé. “Desde quinta-feira o rio já apresentava uma alta considerável, chegando a 3.,53m e como o transbordo do Ururaí se dá com 3,80 metros, a prefeitura decidiu começar uma ação de limpeza no canal de Cacomanga. A limpeza vai ajudar a diminuir o nível do rio”, destacou o subsecretário de Defesa Civil, Major Edson Pessanha.

De acordo com o administrador Carlos Alvarez, 42 anos, todo ano é a mesma coisa, ou seja, o canal enche, fazendo o nível de o rio Ururaí aumentar. “Já passou da hora de se pensar em ações para que problemas como esses não voltem a acontecer”, disse ele. 

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

A irresponsabilidade e a corrupção fazem novas vítimas

Secretário de Defesa Civil anuncia retirada do 12º corpo em Sapucaia

Número de vítimas pode chegar a 24 no distrito de Jamapará, segundo Sérgio Simões

O secretário de Defesa Civil do Rio de Janeiro, coronel Sérgio Simões, afirmou nesta terça-feira, em entrevista à rádio CBN, que já foi encontrado o 12º corpo entre os destroços de casas soterradas em deslizamento de terra na Rua dos Barros, em Jamapará, quarto distrito de Sapucaia. Quatro cadáveres foram resgatados esta manhã. Há pelo menos mais 12 desaparecidos, entre eles cinco pessoas de uma mesma família. Elas teriam deixado a casa e procurado abrigo dentro de um fusca, que acabou soterrado pelas pedras.
Alguns corpos já foram identificados: Luiz Carlos Nassif, de 40 anos, e sua neta, Ana Maria Costa Bela Nassif, de 3 anos; o casal Sergio e Solange, cujo filho de 8 anos está desaparecido; Rosiane Gomes Bastos, de 23 anos e o filho Josiel, de 3, todos no mesmo deslizamento.
Em outro ponto do distrito, na Rua José Vital dos Reis, foi encontrado o corpo de um homem de aproximadamente 45 anos identificado apenas como Francisco.
Bombeiros prosseguem a buscas a corpos soterrados em Sapucaia 
Bombeiros prosseguem a buscas a corpos soterrados em Sapucaia 
Segundo o secretário, a área onde ocorreu o deslizamento é de encosta, com muitas rochas. Nove casas foram atingidas. O número total de mortos pode chegar a 24, de acordo com Sérgio Simões.
"É uma área difícil, onde podem ocorrer novos deslizamentos a qualquer momento. Estamos mobilizados com máquinas e homens, mas a tendência é que a chuva diminua nas próximas horas", afirmou Simões.
"De uma maneira geral, nós tivemos as consequências das chuvas de Minas Gerais, com a consequente elevação do nível dos rios Muriaé e Pomba, que afetaram Laje do Muriaé, Itaperuna, Cardoso Moreira e Italva", acrescentou o secretário.
"O que a gente verifica hoje é que as áreas com o risco de alagamentos causam menos transtornos do que as áreas vulneráveis de encostas, onde o Estado já tem cerca 35 municípios com risco mapeado, mas ainda lidamos com situações que aumentam a vulnerabilidade, como é o caso de Sapucaia. No conjunto de problemas está, certamente, a drenagem mal feita, que contribui para esse cenário de morte", enfatizou Sérgio Simões.
O secretário informou ainda que o comandante do Exército, general Enzo, está em Sapucaia e, desde o primeiro momento, dá apoio para liberar viaturas. "Nestas áreas inundadas, como Três Vendas e Outeiro, o Exército fez um trabalho forte na remoção dessas pessoas", disse Simões.
Segundo o Secretário de Planejamento e responsável pela Defesa Civil de Sapucaia, engenheiro Marco Antônio Teixeira Francisco, os estragos são imensuráveis e por medida de segurança as famílias que moram em áreas de risco foram retiradas do local temporariamente.
Durante toda a tarde o secretário de Estado de Saúde, Sérgio Côrtes, e o comandante do Corpo de Bombeiros, Sérgio Simões, acompanharam as buscas de perto, externando o apoio do governo do Rio às vítimas em Sapucaia.
Existe ainda uma família desaparecida que se abrigou no interior de um veículo durante o deslizamento que também foi soterrado.
A Secretaria de Assistência Social irá catalogar as famílias atingidas e fazer seu realocamento o mais breve possível.
A prefeitura de Sapucaia, através da Secretaria de Assistência Social, está promovendo a partir desta terça-feira (10) uma campanha para arrecadação de donativos que serão entregues às famílias atingidas pelas chuvas no município.
Serão montados e distribuídos “Kit’s desabrigados” contendo material de higiene pessoal, água potável, leite e alimentos não perecíveis.
As doações podem ser feitas na Casa de Cultura, na Rua Fernando Mauro Jannotti Silva, 130 – Pátio da Estação – Centro – Sapucaia, ou na sede da prefeitura, na Praça Governador Miguel Couto Filho, 240 – Centro.
Os donativos mais importantes são água potável, alimentos não perecíveis, material para higiene pessoal, material de limpeza e leite em caixa ou em pó.


Chuva continuará a cair nos próximos dias na região Sudeste

Agência Brasil
As chuvas no Rio de Janeiro, Espírito Santo e em Minas Gerais continuam intensas e, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o tempo nesses estados não irá melhorar nos próximos dias.
No estado do Rio de Janeiro, nove cidades do norte e noroeste estão em alerta máximo. Mais 13 mil pessoas tiveram de deixar suas casas por conta da chuva, segundo o último boletim divulgado hoje (9) pela Defesa Civil estadual. Os municípios de Itaperuna, Italva e Laje do Muriaé apresentaram o maior índice de chuvas, de 100 milímetros acumulados em 24 horas.
No Espírito Santo, há 25 municípios afetados pelas chuvas, sendo que sete deles declararam estado de emergência, segundo dados da Defesa Civil. Até o momento, já são 707 pessoas desabrigadas, 5.996 desalojadas e101 feridas.
A previsão para amanhã (10) é que as chuvas mais significativas no Espírito Santo se concentrarão, principalmente, no centro-sul e leste do estado. Os volumes mais significativos de chuva são esperados no litoral sul e na região da capital, Vitória. O registro do volume de chuva na capital, até agora, oscila em torno de 40 milímetros acumulados em 24  horas.
Já em Minas Gerais, o último boletim divulgado pela Defesa Civil informa que 104 municípios estão em estado de emergência. O número de pessoas afetadas ultrapassa os 2 milhões, sendo que 14.115 estão desabrigadas e desalojadas.
As cidades com mais chuvas são Barbacena (127,2 milímetros acumulados) e Juiz de Fora (90 milímetros). Amanhã, a previsão para Minas é de céu encoberto a nublado com pancadas de chuva no centro, sul e zona da mata. As demais regiões terão tempo nublado ou parcialmente nublado com chuva.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Nota do PCdoB sobre as cheias em Campos

Nestes últimos dias a população de Campos dos Goytacazes, vivenciou mais uma vez, momentos de apreensão e sofrimento. Ano após ano, gestão após gestão pública e sempre a mesma situação. Toda época de chuvas a população menos favorecida economicamente é atingida pelas cheias, seja nas margens do Rio Ururaí, da Lagoa Feia, ou nas margens do Rio Paraíba do Sul. Estes fatos se repetem anualmente porque não possuímos um projeto de cidade, apenas uma entre as várias evidências de que não estamos preparados para os novos desafios socioeconômicos que se aproximam.

O PCdoB - Campos considera inadmissível que num município com orçamento bilionário, um dos 10 maiores do país, famílias permaneçam sobrevivendo sem moradia e sem qualquer dignidade à pessoa humana, direitos previstos na Constituição Federal.

Para que nosso município avance, precisamos de um projeto sustentável e coletivo, construído com a participação do povo através dos conselhos populares, planejando ações a médio e longo prazo. Fortes investimentos em infraestrutura e saneamento básico serão necessários. Assim, teremos reflexos diretos na qualidade de vida da população.

Por fim o PCdoB - Campos acredita na força e na capacidade de avançar do povo de Campos para construção de um município mais justo e democrático.


Comitê Municipal do Partido Comunista do Brasil - Campos

Ipea: Otimismo das famílias brasileiras é o maior em 11 meses

O nível de otimismo das famílias brasileiras com relação à situação socioeconômica do país voltou a acelerar em dezembro, após um ligeiro recuo no mês anterior, e encerrou o ano passado em 67,2 pontos, o maior nível em 11 meses para o indicador.


Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que calcula o Índice de Expectativa das Famílias (IEF), o valor registrado no último mês do ano passado é superior ao desempenho de 64,6 pontos verificado em dezembro de 2010 e igual ao melhor resultado registrado até então pela série histórica do índice, em janeiro de 2011.

Produzido e divulgado pelo Ipea desde agosto de 2010, o IEF mostra o grau de otimismo das famílias brasileiras em relação ao cenário socioeconômico do País para os próximos 12 meses e para os cinco anos seguintes.

Para a elaboração e cálculo do índice a pesquisa é realizada em 3.810 domicílios de cerca de 200 cidades, abrangendo todos os 27 Estados do País.

O estudo aborda temas como a situação econômica nacional, condição financeira passada e futura dos entrevistados, decisões de consumo, endividamento e condições de quitação de dívidas e de contas atrasadas e mercado de trabalho com foco na segurança na ocupação e o sentimento futuro dos entrevistados quanto a melhora profissional.

Segundo o Ipea, em dezembro as regiões Centro-Oeste e Norte foram as principais responsáveis pelo crescimento da expectativa em diversos pontos.

Com relação ao comportamento socioeconômico, tanto no curto quanto no longo prazo, as famílias brasileiras se mostraram de maneira geral mais otimistas em dezembro do que em novembro. Tanto para o curto quanto para o longo prazo, a região Centro-Oeste deu um salto de 56% e 59% para 82%, respectivamente. A região Sul aumentou aproximadamente em quatro pontos percentuais o otimismo para os dois períodos, registrando em dezembro 59,6% e 62,7%, respectivamente.

Situação econômica
 

De acordo com o Ipea, os dados da pesquisa revelam que a situação econômica das famílias no País em 2011 quando comparadas com o ano anterior apresentaram taxas de crescimento expressivas, entre os meses de novembro e dezembro, para as regiões Centro-Oeste (de 76% para 88%), Norte (de 71% para 80%) e Sul (de 63% para 72%). Quanto à situação familiar para os próximos 12 meses, todas as regiões apresentaram crescimento das expectativas positivas, assim como também por nível de escolaridade.

Os menos otimistas são os que não possuem escolaridade (57,7%), valor inferior ao computado no mês de novembro (59%). Os mais otimistas são os que possuem ensino superior incompleto (73%), bem acima do registrado no mês anterior (63,2%).

A expectativa por um bom momento para adquirir bens de consumo duráveis aumentou em dez pontos nas regiões Centro-Oeste (69%) e Sul (48%). Mas a região Norte apresenta um nível bem abaixo das demais regiões, com 31%, aponta o Ipea.

Dívidas

O valor médio da dívida mensal das famílias no mês de dezembro (R$ 4.679,13) foi o quinto maior registrado no ano passado, atrás apenas dos valores verificados nos meses de janeiro, fevereiro, abril e setembro de 2011.

A região Centro-Oeste mostrou um grande índice de famílias sem dívidas (90,9%) e nenhuma família afirmou estar muito endividada. Entre aqueles com contas atrasadas, na região Centro-Oeste, 37,5% consideram viável quitar todas as dívidas, enquanto que a mesma proporção se diz incapaz de quitar as pendências financeiras.

Mais famílias nas regiões Sudeste (67%) e Sul (56%) afirmaram não ter dívidas. Na região Norte, mais famílias afirmaram que estão muito endividadas (14%). Na mesma região, apenas 2% das famílias afirmaram ser possível pagar todas as dívidas. Aproximadamente 61% das famílias afirmam, segundo o estudo do Ipea, serem incapazes de quitar todas as contas atrasadas.

Mercado de trabalho

Quanto à segurança no mercado de trabalho, a região Norte apresenta expectativas positivas tanto para o responsável pelo domicílio (94%) quanto para os demais membros da família (96%). Mas as expectativas para melhorias profissionais nos próximos seis meses são as mais baixas entre as cinco regiões, com apenas 13% das famílias confiantes em possíveis melhorias.

A região Nordeste apresenta o nível mais baixo de segurança pelo responsável do domicílio (67%) e entre os demais membros do domicílio (51%). Mas diferentemente do resultado verificado no mês de novembro, a expectativa de segurança dos demais membros da família em suas ocupações em dezembro foi maior do que as expectativas negativas (46%), de acordo com os dados consolidados pelo Ipea.

Fonte: iG

Enchentes no Sudeste fazem Dilma antecipar volta das férias

A presidenta Dilma Rousseff voltou nesta quinta-feira (5) a Brasília depois de dez dias de férias. Ela desembarcou por volta de 16h40 na Base Aérea e seguiu para o Palácio da Alvorada, aonde chegou às 17h05. A previsão era que a presidenta voltasse ao trabalho na próxima segunda-feira (9), mas o retorno foi antecipado para sexta-feira (6), por causa das fortes chuvas que atingem a Região Sudeste, principalmente Minas Gerais.


Dilma estava na Base Naval de Aratu, na Bahia, acompanhada da família. Durante o período de férias, Dilma acompanhou a situação dos estados atingidos pelas enchentes, de acordo com sua assessoria . Na terça-feira (3), ela telefonou para o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, e ofereceu o apoio do governo federal para enfrentar as enchentes no estado.

Dois ministros já haviam interrompido as férias nessa semana para acompanhar a situação dos estados atingidos pelas chuvas. Na terça-feira (3), a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, voltou ao trabalho e no mesmo dia já teve reuniões tratar das ações do governo direcionadas aos estados afetados pelas enchentes. No dia seguinte, foi a vez do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, antecipar o retorno à Brasília. Bezerra teve reuniões com Gleisi e hoje seguiu para o Rio de Janeiro para acompanhar a situação das chuvas no estado.

Famílias removidas


Mais de 300 famílias já foram removidas da localidade de Três Vendas, em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense. A localidade foi alagada após o rompimento de um dique na rodovia BR-356, que funcionava como uma barreira para conter as águas da enchente do Rio Muriaé, em Minas Gerais. A informação foi confirmada pela assessoria da prefeitura.

As pessoas removidas estão sendo encaminhados para o Ciep Luiz Carlos de Lacerda, em Travessão, e para a Escola Municipal Albertina Venâncio.

De acordo com a prefeitura, no trabalho de remoção das famílias a Secretaria de Serviços Públicos tem o apoio da Defesa Civil do estado e da do município, além da colaboração de homens do Exército e do Corpo de Bombeiros. Vinte caminhões foram disponibilizados para os trabalhos. Já a Secretaria de Assistência Social está cadastrando as famílias desalojadas no programa social da prefeitura Morar Feliz.

Logo após o rompimento do trecho de contenção da rodovia, a prefeita da cidade, Rosinha Garotinho, e o secretário de estado da Defesa Civil, Sérgio Simões, sobrevoaram a localidade de Três Vendas e acompanharam o trabalho de retirada das famílias.

Oposição

O PPS protocolou nesta quinta-feira (5) no Congresso Nacional um pedido de convocação da Comissão Representativa da Casa para discutir os efeitos das fortes chuvas que atingem o país e o critério de distribuição de recursos do governo federal a municípios atingidos pelas águas. A comissão é formada por parlamentares para atuarem durante o recesso do Congresso.

"Não há dúvidas que os casos das enchentes e dos deslizamentos necessitam de ações rápidas por parte do poder público. Precisamos auxiliar a população envolvida nessas catástrofes com políticas públicas que possam diminuir os riscos e ampliar a possibilidade de se preservar a vida", defendeu o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP).

Na quarta-feira, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, negou ter favorecido Pernambuco, onde mantém sua base eleitoral, ao direcionar recursos da pasta para a prevenção de tragédias naturais, como enchentes. Segundo Bezerra, o Estado foi o que mais apresentou projetos. Atualmente, Pernambuco tem oito obras de prevenção em andamento, que somam R$ 98 milhões. Para ações do tipo, a pasta toca 34 projetos, no valor total de R$ 218 milhões.

Fernando Bezerra também rechaçou as afirmações veiculadas no jornal O Estado de S. Paulo de que Pernambuco teria recebido 90% dos recursos do ministério. "Não existe política partidária, miúda, pequena. Eu não posso aceitar, como não aceito nenhuma discriminação com nenhum Estado brasileiro, não se pode discriminar Pernambuco por ser o Estado do ministro. Lá, cinco barragens serão construídas", disse ele.

Fonte: da redação, com agências

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Morre Beatriz Bandeira, companheira de Olga Benário na cela 4

Morreu, aos 102 anos, Beatriz Bandeira, a última sobrevivente da famosa cela 4 – onde foram presas, na Casa de Detenção, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, as poucas mulheres que participaram do Levante Comunista de 1935 no Brasil.



Morre a combativa Beatriz Bandeira, sobrevivente da cela 4
Beatriz com os filhos gêmeos.















































Foi na cela 4 que ficaram confinadas Olga Benário (esposa do líder do Levante, Luiz Carlos Prestes), a futura psicanalista Nise da Silveira, a advogada Maria Werneck de Castro e as jornalistas Eneida de Moraes e Eugênia Álvaro Moreyra.

Por conta dessa passagem, Beatriz virou personagem de livros como Memórias do Cárcere, o relato biográfico de Graciliano Ramos, que também esteve preso por causa da revolta.

Pouco antes, como militante comunista e da Aliança Nacional Libertadora (ANL), Beatriz conheceu seu marido, Raul, que viria a ser jornalista e secretário de Imprensa do governo João Goulart (1961-1964). Com ele se casou três vezes.

Os dois foram exilados duas vezes. Em 1936, depois da libertação, foram expulsos para o Uruguai. Em 1964, após o golpe militar, receberam abrigo na Iugoslávia e, posteriormente, na França.

De volta ao Brasil

Ao regressar ao Brasil, Beatriz continuou a militância política nos anos 1970 e 1980. Foi uma das fundadoras do Movimento Feminino pela Anistia e Liberdades Democráticas, que lutou pelo fim da ditadura no país.

Beatriz nasceu em uma família positivista. Seu pai, o coronel do Exército Alípio Bandeira, foi abolicionista. Como militar, trabalhou no Serviço de Proteção ao Índio (SPI) e ajudou o Marechal Cândido Rondon na instalação de linhas telegráficas no interior do país e no contato com tribos isoladas – Alípio liderou o encontro com os Waimiri Atroari em 1911, por exemplo.

Além de militante política, Beatriz foi poeta (publicou Roteiro e Profissão de Fé) e professora (foi demitida pelo regime militar da cadeira de Técnica Vocal do Conservatório Nacional de Teatro). Também escreveu crônicas e colaborou para o jornal A Manhã e as revistas Leitura e Momento Feminino. Há dez anos ela contou um pouco de sua história em uma entrevista à TV Câmara.

Beatriz morreu na noite de segunda (dia 2) após um AVC. Foi enterrada no final da tarde de terça-feira (3) no Cemitério São João Batista, em Botafogo.

Uma nota pessoal

Beatriz Bandeira Ryff era minha avó. Nos últimos anos de sua vida centenária a senilidade tinha lhe tirado totalmente a visão. Ela quase não falava e mal se comunicava com o mundo.

Há uns dez dias, fui visitá-la levado pelo meu filho de 8 anos que queria dar um beijo na “bisa”. Encontramos ela mais presente do que em todas as visitas nos anos anteriores. Chegou a cantarolar algumas músicas que costumava embalar o sono dos netos quando pequenos, como os hinos revolucionários Internacional, A Marselhesa (embora ela também cantasse obras não políticas, entre elas a Berceuse, de Brahms).

Ao me despedir, perguntei-lhe se lembrava o trecho do poema Canção do Tamoio, de Gonçalves Dias, que ela costumava recitar. Ela assentiu levemente com a cabeça e começou, puxando do fundo da memória. Foram suas últimas palavras para mim.

“Não chores, meu filho/Não chores, que a vida/É luta renhida:Viver é lutar./A vida é combate/Que os fracos abate/Que os fortes, os bravos/Só pode exaltar.”(Canção do Tamoio, Gonçalves Dias)





Beatriz Bandeira Ryff, aos 90 anos

Fonte: IG RJ

Paraíba estaciona nos 11m e dique se rompe em Três Vendas

De acordo com a primeira medição feita nesta quinta-feira, o Rio Paraíba continua com nível de 11metros, dois metros acima do nível de transbordo. Cerca de 4 mil pessoas devem ser retiradas de suas casas na manhã desta quinta-feira (5) por causa do rompimento de um dique no bairro Três Vendas, em Campos. As informações são do secretário de Defesa Civil do município, Henrique Oliveira. Segundo ele, mil famílias foram afetadas. Atualmente, 590 pessoas estão desabrigadas no município.


“Eu estou pedindo apoio do Exército. Nós vamos tirar toda a população de Três Vendas. Essa retirada tem que ser muito rápida”. Segundo ele, a água do Rio Paraíba do Sul deve tomar todas as ruas do bairro. “A situação é caótica na região. A água vai tomar tudo e muito rápido”, disse o secretário.

De acordo com Oliveira, o dique fica na rodovia BR-356. Uma cratera foi aberta e o tráfego está interrompido na rodovia.

A Defesa Civil se encaminhou para o local, junto com o Corpo de Bombeiros, para avaliar a situação.


Fonte: Folha da Manhã

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

PAC 2 vai destinar R$ 46 bilhões para investimento em ferrovias

O governo federal está investindo, por meio do PAC 2, R$ 46 bilhões em 4,6 mil quilômetros de ferrovias até 2014, informou a presidente Dilma Rousseff na coluna Conversa com a Presidenta publicada nesta terça-feira (3). Segundo ela, estão em obras 3,4 mil quilômetros.


“As ferrovias ficaram muitos anos sem investimentos públicos, depois de terem sido privatizadas, na década de 90. Esta realidade mudou no governo do presidente Lula, quando o setor passou a ser tratado como estratégico para o crescimento do país e voltou a integrar a pauta de investimentos da União”, explicou a presidente ao motorista José Carlos Nunes, de Montenegro (RS).

Além dos avanços nas ferrovias Norte-Sul, Transnordestina e Oeste-Leste, o governo voltou a investir “pesadamente” em transporte público nas cidades, em parceria com estados e municípios. Segundo a presidente Dilma, foram destinados R$ 18 bilhões para atender as 24 maiores cidades do país em projetos de transportes, incluindo metrôs.

“Há muito a fazer, mas estamos caminhando firmemente”, disse.

Educação e sistema prisional

A presidente também explicou ao sociólogo de Salvador (BA) Sandro Barbosa Junqueira, que, por meio do Plano Estratégico de Educação, o governo pretende implementar o programa Brasil Alfabetizado no sistema prisional. Mais de 26 mil presos que se declaram analfabetos devem ser beneficiados. Em julho do 2010, a população carcerária somava cerca de 514 mil pessoas, sendo que 65% não possuem o ensino fundamental completo.

“Mais grave ainda é que apenas 9,35% dessas pessoas estão envolvidas em atividades educacionais”, lamentou a presidente, lembrando que o direito à educação para esses cidadão já é previsto na Lei de Execuções Penais, no Plano Nacional de Educação e nas resoluções do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária e do Conselho Nacional de Educação.

Alimentos sem agrotóxicosOutro tema abordado pela presidente Dilma na coluna é o consumo de alimentos livres de agrotóxicos. Questionada pela aposentada de Maringá (PR) Carine Bastos de Andrade, ela afirmou que o governo federal possui políticas de incentivo à produção e ao consumo de alimentos saudáveis. O Pró-Orgânico, desenvolvido pelo Ministério da Agricultura, incentiva os produtores a fazerem a conversão para sistemas orgânicos de produção, com projetos voltados à viabilização de insumos e tecnologias apropriadas.

Outra ação destacada pela presidente é a inclusão de produtos orgânicos no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), desenvolvido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, e no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), do Ministério da Educação.

“O próprio governo compra dos produtores alimentos sem agrotóxicos. Temos o Pronaf Agroecologia, com linha de financiamento para o agricultor familiar que quer investir nesse segmento. Realizamos também a campanha Semana do Alimento Orgânico, em vários estados, informando sobre os benefícios ambientais e nutricionais desses alimentos. O resultado de todas essas ações é que o consumo de alimentos livres de agrotóxicos tem crescido cerca de 20% a cada ano.”

Fonte: Blog do Planalto

Produção de petróleo é recorde em novembro

O Brasil bateu o recorde diário de produção de petróleo em novembro do ano passado, conforme divulgou nesta terça-feira (3) a Agência Nacional do Petróleo (ANP). Foram produzidos 2,188 milhões barris por dia, superando o recorde anterior de 2,180 milhões de barris por dia, registrado em dezembro de 2010. A produção de petróleo e gás totalizou o equivalente a 2,615 milhões barris de óleo por dia.



A produção de petróleo e gás natural do período foi oriunda de 8.980 poços. O campo com o maior número de poços produtores foi Canto do Amaro, na Bacia de Potiguar, no Rio de Janeiro. Canto do Amaro reúne 1.127 poços.

A ANP informou ainda que a produção de gás natural, em novembro, foi de aproximadamente 68 milhões de metros cúbicos por dia, a segunda maior do país. O recorde de produção de gás natural foi registrado em dezembro de 2010, quando a produção atingiu 69,2 milhões de metros cúbicos por dia.

Em novembro de 2011, houve aumento de aproximadamente 4,8% na produção de petróleo em relação ao mesmo período do ano anterior e de 4% na comparação com o mês de outubro. Na produção de gás, o aumento foi de aproximadamente 2,5% frente o mesmo mês de 2010 e de 2,4%, se comparada à produção do mês anterior.

O estado de São Paulo ultrapassou a Bahia e foi o quarto maior produtor de petróleo e gás natural, em barris de óleo equivalente, com cerca de 91,7 milhões de barris de óleo equivalente por dia.

Os maiores aumentos de produção de petróleo foram registrados nos campos de Marlim, Jubarte e Lula. O Campo de Roncador foi o maior produtor de petróleo e o Rio Urucu, o maior produtor de gás natural.

Ao todo, 300 concessões, operadas por 25 empresas, foram responsáveis pela produção nacional em novembro de 2011. Dessas, 75 são concessões marítimas e 225 são terrestres.

Agência Brasil

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O pré-sal em um mundo sem petróleo e as Forças Armadas

HÁ DÉCADAS QUE A EXAUSTÃO DOS MANANCIAIS DE PETRÓLEO VEM SENDO ANUNCIADA. O ASSUNTO FOI DOS MAIS DISCUTIDOS PELO CLUBE DE ROMA, QUE PRETENDIA DETER O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNDO, COM O CONGELAMENTO DO PROGRESSO E O CRESCIMENTO ZERO.


POR MAURO SANTAYANA


Os argumentos eram poderosos: como os recursos do planeta são finitos, infinito não pode ser o seu consumo, e o modelo de vida deve ser mudado. Ocorre que os países ricos – que promoveram o encontro e soaram o alarme – pretendiam congelar o tempo: os que se encontravam à frente, à frente continuariam, enquanto os outros, não podendo desenvolver-se, pelo acordo pretendido, regrediriam. A reação dos países em desenvolvimento, com o apoio então da URSS, tornou o projeto inviável.

A partir da Conferência de Estocolmo, em 1972, a preocupação com o meio ambiente passou a ser, sobretudo, dos países em desenvolvimento, que apontaram as razões reais da crise: a civilização do desperdício imposta ao mundo pelos países ricos. A partir de então, os países centrais aceleraram o seu esforço a fim de controlar as fontes de matéria prima, sobretudo do petróleo, no mundo inteiro, com o emprego da diplomacia e da guerra. Essa ofensiva foi possível mediante a aliança entre Reagan, Thatcher e o Vaticano, com a cumplicidade de Gobartchev, contra o sistema socialista – que apoiava os esforços do Terceiro Mundo.

Uma das artimanhas do poder imperial é a desinformação. Com relação à energia – além do petróleo, o urânio e terras raras – essa desinformação é patente: tenta esconder o entendimento entre os países ricos para o controle direto das atuais jazidas, que se exaurem rapidamente. Não se preocupam com a poluição do mundo, nem com o chamado efeito estufa: seu cuidado é o de manter a posição hegemônica. Nessa atitude, os Estados Unidos, os países europeus e os chineses continuam a proclamar a intenção de encontrar saídas para proteger o ambiente da vida, enquanto continuam em seu processo poluidor, não só em seus territórios nacionais, mas no mundo inteiro – conforme a atuação de suas empresas na África, na Ásia e na América Latina.

As grandes empresas petrolíferas – que mantêm influência poderosa nos governos dos países centrais, de forma direta, ou mediante o Clube de Bilderberg – escondem as previsões assustadoras de que as reservas petrolíferas do mundo chegarão ao seu pico nos próximos três anos, e se iniciará o processo de exaustão, calculado em 5% ao ano – nos termos atuais de consumo. Se essa previsão se confirmar, em 20 anos as atuais reservas estarão esgotadas, se o consumo não aumentar, o que reduziria o prazo previsto.

Um dos sinais das dificuldades a vir é o malogro do grande campo de Kachagan, nas águas sob a jurisdição do Casaquistão, no Mar Cáspio. A província petrolífera de Kachagan era uma das maiores promessas de grande produção. As reservas são calculadas entre 9 e 16 bilhões de barris. O início da produção estava previsto para daqui a dois anos – em 2014. Dificuldades técnicas e dificuldades econômicas se alternam. É preciso trabalhar em condições extremas, com a temperatura variando de 35 graus abaixo de zero, no inverno, a 40 graus acima de zero, no verão. As condições são de tal maneira duras que os trabalhadores da região protestaram, em dezembro, de forma vigorosa contra as condições de trabalho impostas pelas empresas Total, da França; Shell, da Holanda e do Reino Unido; Exxon, dos Estados Unidos, e Eni, da Itália. Foram reprimidos à bala pelo governo do Casaquistão, com pelo menos dez mortos. Houve deliberado silêncio sobre o incidente.

Com toda a pujança do campo de Kachagan, suas reservas totais dariam apenas para o consumo mundial, nos níveis atuais, de três meses (na previsão mais baixa, de 9 bilhões de barris) a menos de seis meses (na hipótese de 16 bilhões). O Cáspio era a grande miragem dos Estados Unidos e seus aliados europeus, e a verdadeira razão da guerra movida contra o Afeganistão, assim como a verdadeira razão da guerra contra o Iraque sempre foi o petróleo. Embora haja ainda a possibilidade de outras jazidas, de menor expressão, de petróleo e gás na região, a grande expectativa, a de Kachagan se frustra. Diante dos obstáculos, os investidores se afastam do projeto, e as empresas envolvidas começam a planejar a retirada, mas se encontram presas ao contrato com o governo do Casaquistão, e esse contrato termina em 2041 – com a transferência para o país das instalações da grande ilha artificial montada pelas contratantes.

O petróleo continua sendo a mais importante das matérias primas, enquanto a ciência não lhe encontrar sucedâneos. A advertência de que a contagem para a sua exaustão já se inicia deve ser meditada em nosso país. Estamos eufóricos com as perspectivas das jazidas encontradas sob a camada de sal no litoral atlântico. Há hoje uma disputa entre estados e municípios para o dispêndio de parcela dos resultados dessa exploração, por via dos royalties. Isso se houver realmente royalties, uma vez que, se não prevalecer a emenda Pedro Simon, os royalties a serem pagos pelas empresas exploradoras serão a elas devolvidos em óleo.

Temos também que usar desses recursos, se eles corresponderem ao que esperamos, para financiar pesquisas nacionais em busca de fontes alternativas de energia e, com a mesma preocupação, do fortalecimento de nossos exércitos. No que se refere às Forças Armadas, é urgente restabelecer a indústria nacional de armamentos, abandonada pelo derrotismo interessado dos neoliberais brasileiros. Essa atitude capitulacionista quase nos custou a entrega total da Petrobrás às sete irmãs bastardas, que são as principais petroleiras do mundo. O balanço objetivo do que foi o governo Fernando Henrique poderá ser realizado com a CPI das Privatizações, a ser constituída em breve.

O mundo que temos à frente não nos promete a paz – a menos que sejamos capazes de agir decisivamente contra o sistema atual, dominado por meia dúzia de meliantes, que controlam os governantes, a maioria deles pessoas medíocres e subornadas pelos grandes bancos, que também controlam as grandes corporações multinacionais. As manifestações de massa do ano que passou podem ter sido apenas fogo de palha. Falta organizar politicamente o inconformismo, em cada um dos países do mundo, a fim de assegurar aos seres humanos os direitos que lhes são naturais, e que se resumem em viver, enquanto vida houver, sem medo e sem ódio.

Fonte: Conversa Fiada