quinta-feira, 31 de março de 2011

As mulheres negras e a impunidade de um canalha

Certa vez, em conversa com uma amiga, ela me relatava em cores vivas exemplos de preconceitos que atingem a mulher negra.

Por Wevergton Brito Lima*
De classe média alta, executiva, casada com um professor universitário branco, quando se dirige ao setor reservado aos clientes exclusivos de um banco privado é comum aparecer um funcionário com a advertência de que aquele espaço é para clientes especiais. Em uma dessas ocasiões, ao mostrar o cartão que provava sua condição de cliente especial, ouviu que “não pode ser cartão de terceiros”.

Por ocasião de sua lua de mel na Bahia, ao voltar da praia para o quarto em que estava hospedada (o marido não quis descer naquela manhã) foi parada por um segurança que a acusou de ser “garota de programa”. Ao contrário de outras mulheres negras que sofrem esse tipo de agressão e reagem à altura, minha amiga tem uma reação de pânico. Começa a tremer e sente uma imensa fragilidade.

Esses dois exemplos são até suaves para as pequenas e grandes humilhações cotidianas que sofrem as mulheres negras, atingindo sua auto-estima, e muitas vezes provocando depressão, angústia, síndrome do pânico, etc.

Para essas mulheres, o todo poderoso diretor de Jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel, que afirma não existir racismo no Brasil, chega a ser motivo de chacota, tão distante da realidade são suas observações que acabam, queira ou não Ali Kamel, servindo para perpetuar o racismo, pois se ele não existe entre nós, então não existe motivo para combatê-lo, já que não se combate o que não existe.

Mesmo sem existir racismo no Brasil, pelo menos de acordo com Ali Kamel, assistimos declarações como as do Senador do DEM, Demóstenes Torres, que por ocasião da discussão sobre cotas no senado, afirmou que nas senzalas não havia estupro, havia, isso sim, “sexo consensual” entre senhores e escravas. Ou seja, para o senador “democrata” a escrava era perfeitamente livre para se negar a deitar com o seu “dono”!

Ontem, no entanto, o escondido, hipócrita e sujo racismo brasileiro veio à tona de forma nua e crua. O deputado federal Jair Bolsonaro (PP) vem a público afirmar que seus filhos jamais namorariam uma negra, pois “foram bem educados”. Ou seja, na doentia visão de Jair Bolsonaro, as negras são seres inferiores e degeneradas que só mereceriam a atenção de pessoas que não tivessem acesso a uma educação que os prevenisse contra essa convivência perniciosa.

Assim que, estarrecido, li e assisti as declarações de Jair Bolsonaro, pensei em como estavam se sentindo as milhões de mulheres negras, as milhões de mães de família, atingidas em sua dignidade. Pensei na própria nação brasileira, também ferida em sua honra, pois milhões de brasileiras que constroem e sustentam a nação foram cruelmente ofendidas. Busquei em minha memória uma palavra que descrevesse uma pessoa que, em pleno século 21, pensa desta maneira. Teria que, necessariamente, ser uma pessoa infame, vil, abjeta, velhaca e desprezível. Pois bem, meus amigos e amigas, existe uma palavra que, de acordo com o dicionário, contém todos esses significados: canalha. Não posso me furtar, portanto, a dizer a verdade: Jair Bolsonaro é um canalha, pois um racista pode até não assaltar o próximo, no sentido de ser ladrão, mas sem dúvida merece cada um dos epítetos que o dicionário atribui à palavra canalha.

Agora nos resta agregar outro adjetivo ao deputado federal Jair Bolsonaro, que é o de criminoso. O racismo é crime previsto em lei e não existe imunidade parlamentar que permita a qualquer um ofender a honra de toda uma nação.

São necessárias ações em todos os campos, tanto no Congresso quanto na justiça. A impunidade, neste caso, será tão grave e gritante, quanto a própria vil agressão.

*Wevergton Brito Lima é jornalista e Secretário de Comunicação do PCdoB-RJ.

Editorial do Portal Vermelho (http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=150642&id_secao=1)

quarta-feira, 30 de março de 2011

Racismo e homofobia: deputados protocolam processo contra Bolsonaro por quebra de decoro parlamentar

Uma comissão suprapartidária protocolou no início da noite desta terça-feira (29|mar|2011) uma representação contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) por quebra de decoro parlamentar por comentário supostamente racista e homofóbico feitos pelo parlamentar para o programa CQC, da Rede Bandeirantes.

A representação, assinada por 20 deputados, pede que Bolsonaro seja destituído da Comissão de Direitos Humanos e Minorias pelo seu partido, o PP. O documento também encaminhado ao Ministério Público e à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Jandira Feghali (PCdoB/RJ, uma das signatárias do documento, diz que as declarações do colega fluminense constuituem-se num grave desrespeito à constituição brasileira, que estabelece o direito à igualdade. “Na condição de parlamentar, ele tem a obrigação de servir de exemplo à sociedade. Inaceitável, portanto, que ele apareça na tevê estimulando publicamente uma prática vergonhosa de discriminação. O mundo não tolera mais conviver com esse tipo de violação”, criticou.

Fonte: Siga Jandira.

terça-feira, 29 de março de 2011

Manuela anuncia medidas contra Bolsonaro por declarações racistas

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, deputada Manuela d'ávila (PCdoB-RS) anunciou que vai tomar providência contra as declarações feitas pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) contra a cantora Preta Gil, em programa de televisão na noite desta segunda-feira (28). A fala da deputada recebeu apoio de outros parlamentares que anunciaram que entrarão com representação na Comissão de Ética da Casa contra o deputado.

“Como Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Parlamentar, estou estudando todas as medidas dentro e fora desta Casa que possam ser tomadas para que não tenhamos nenhum Parlamentar que envergonhe a Constituição que juramos”, disse Manuela.

E acrescentou que “racismo é crime inafiançável” e que “a imunidade (parlamentar) não nos garante a autonomia para cometermos crimes, principalmente crimes de preconceito contra a maior parte da população brasileira que é negra”.

“Esta Casa precisa deixar de tratar o deputado Jair Bolsonaro como um folclore. Esse deputado que se referiu a uma artista, mulher negra, a Preta Gil, como uma prostituta, várias vezes, aqui deste microfone, já pediu o fechamento do Congresso Nacional”, destacou o deputado Luiz Alberto (PT-BA).

“Essa questão precisa ser tratada como uma questão grave”, alertou o parlamentar. “Como disse aqui a deputada Manuela d'Ávila, do PCdoB, o racismo é crime. Não se deve tratar um crime imprescritível, inafiançável, portanto grave, como se não o fosse. Esse deputado terá que responder, perante esta Casa, por quebra de decoro parlamentar.”

Ivan Valente (PSOL-SP) também disse que o seu Partido vai se juntar a todos aqueles que vão tomar medidas contra o deputado Jair Bolsonaro por apoio à tortura, à homofobia e ao racismo.
O deputado Emiliano José (PT-BA), se solidarizou com o pronunciamento da deputada Manuela d'Ávila e anunciou que a acompanhará em todas as providências que esse assunto tão grave requer.

A cantora Preta Gil também anunciou que entrará com uma representação junto ao Ministério Público contra o deputado Jair Bolsonaro, pedindo que apurem crime de intolerância racial e homofobia. Em entrevista para o programa CQC, ao responder se aprovaria o relacionamento de seu filho com uma negra, o parlamentar disse que "não corria o risco" por que eles foram "muito bem educados" e não viveram num ambiente "como lamentavelmente" era o dela.

De Brasília
Márcia Xavier

Morre em São Paulo ex-vice-presidente José Alencar

O ex-vice-presidente da República José Alencar morreu na tarde desta terça-feira (29), aos 79 anos, em São Paulo, depois de lutar por mais de 13 anos contra o câncer. A informação foi confirmada pela equipe médica do Hospital Sírio-Libanês.

O ex-vice foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nesta segunda-feira (28), com um quadro de suboclusão intestinal, em "condições críticas". Ele havia recebido alta em 15 de março, após uma internação de mais de um mês na instituição devido a uma peritonite (inflamação da membrana que reveste a cavidade abdominal) por perfuração intestinal. Nos mais de 13 anos em que lutou contra o câncer, Alencar foi submetido a 17 cirurgias, perdeu um rim, dois terços do estômago e partes dos intestinos delgado e grosso.

Nascido em 17 de outubro de 1931, José Alencar foi o 11º filho de um total de 15 do casal Antônio Gomes da Silva e Dolores Peres Gomes da Silva. O ex-vice-presidente nasceu em um povoado às margens de Muriaé, no interior de Minas Gerais. Ele era casado com Mariza Campos Gomes da Silva e deixou três filhos reconhecidos: Josué Christiano, Maria da Graça e Patrícia.

Alencar disputou e venceu ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva as campanhas eleitorais à Presidência da República em 2002 e em 2006. No final do ano passado foi internado com urgência após uma nova hemorragia abdominal provocada pelo tumor no intestino. Os médicos contiveram o sangramento, mas não puderam retirar os tecidos comprometidos pela doença, impedindo o político mineiro de se despedir do cargo em Brasília e de participar da posse da presidente Dilma Rousseff.

De dezembro até os primeiros meses de 2011, o ex-vice voltou a ser internado diversas vezes, sempre em situação muito grave (veja histórico abaixo). Cirurgias foram descartadas nas últimas internações devido ao estado delicado de sua saúde.

Eleições 2010


Em novembro de 2009, Alencar garantiu que se a saúde permitisse seria candidato ao Senado. No início do ano passado, cogitou tentar o governo de Minas Gerais. Porém, em abril, afirmou que não disputaria cargos por estar em tratamento de quimioterapia contra o câncer.

"Decidi não me candidatar a nada. Vou cumprir o meu mandato até o último dia, se Deus quiser, e descer a rampa da mesma forma que subi. Subi a rampa com ele [Lula], vou descer com ele. Ele também não se afastou, vamos juntos", disse na ocasião. Proibido pelos médicos, ficou no hospital enquanto Dilma e seu sucessor, Michel Temer, recebiam o cargo no Palácio do Planalto.

Homenagem no aniversário de São Paulo

Em 25 de janeiro de 2011, quando a capital paulista completou 457 anos, Alencar recebeu a Medalha 25 de Janeiro, uma homenagem da prefeitura, das mãos da presidente Dilma Rousseff.

Visivelmente emocionado, Alencar afirmou que fazia um discurso "de coração" e que está "vencendo as dificuldades". "Eu tinha um texto preparado no bolso, mas resolvi falar do coração. Ainda que (as dificuldades) sejam fortes, estamos vencendo. Quem fica num hospital esse tempo (90 dias, segundo seus cálculos), tem muitas reflexões... Se eu morrer agora, é um privilégio, porque é tanta gente torcendo por mim... Se eu morrer agora, tá bom demais", disse. O evento contou com a presença do ex-presidente Lula.

Declaração PCdoB

Em declaração ao Vermelho, o presidente Nacional do PCdoB, Renato Rabelo, disse que o partido sente a morte do ex-vice-presidente da República. “José Alencar foi um aliado importante para as vitórias de 2002 e de 2006, e teve um papel destacado no novo ciclo político inaugurado por Lula”.

Renato afirmou que o ex-vice-presidente era um grande patriota e uma liderança comprometida com os interesses da nação. “Ele entendia também os problemas vitais do povo, já que havia tido uma origem humilde e se tornou um grande empresário”.

O presidente nacional do PCdoB ressaltou que na política macro-econômica, Alencar sempre procurou alternativas para os juros altos e enfrentava com brilho e argumentos esse debate. “Ele dizia que a alta significava uma grande transferência de renda para um pequeno grupo que se beneficiava dessa agiotagem dos juros elevados”

Rabelo lembrou que durante sua última visita a José de Alencar, realizada há pouco mais de um mês, o ex-vice-presidente demonstrou muita persistência pela vida e atenção pelas questões que envolviam o país. “O PCdoB sente a morte de José Alencar, por seu papel na história recente do Brasil e pela relação de amizade com o nosso Partido”.


Da redação, com informações do Portal Terra e Uol Notícias

segunda-feira, 28 de março de 2011

Homenagem: Campos dos Goytacazes 176 anos!

Fotos de minha autoria.

Professora Odete em inserções do PCdoB 2011


Serão finalizadas hoje as inserções, de 30 segundos, do PCdoB que vão ao ar entre 19h30 e 22h. Estas, pautam a comemoração dos 89 anos do PCdoB, e convoca a população a conhecer o programa socialista e se filiar ao Partido. Em Campos, a representação nas inserções é feita pela presidente do Partido e professora Odete Rocha.

sexta-feira, 25 de março de 2011

PCdoB comemora 89 anos

Fundado em 25 de março de 1922, o Partido Comunista do Brasil comemora hoje 89 anos. Em Campos, o PCdoB comemorá a data com panfletagem no calçadão, no Centro, a partir das 16h30. Mais tarde, haverá confraternização com a participação de filiados, militantes e simpatizantes, às 19h, na sede do partido (Avenida 28 de Março, 59, 1º andar - Ao lado do ISEPAM, altos da Terapêutica).

quinta-feira, 24 de março de 2011

Altamiro Borges: a força e os limites da blogosfera

Altamiro Borges: a força e os limites da blogosfera

Em sua visita ao Brasil, o presidente do EUA, Barack Obama, havia programado um megaevento na Cinelândia, centro do Rio de Janeiro, palco de históricos protestos em defesa da democracia e a soberania nacional. Na última hora, o show de pirotecnia foi cancelado. Segundo a própria mídia hegemônica, a razão foi que o serviço de inteligência do império, a famigerada CIA, alertou a diplomacia ianque sobre os "protestos convocados pelas redes sociais". Obama ficou com medo!

Por Altamiro Borges
Este episódio, uma vitória dos internautas progressistas do Brasil, comprova a força da internet. Num meio ainda não totalmente controlado pelas corporações capitalistas é possível desencadear ações contra-hegemônicas e quebrar o “pensamento único” emburrecedor da velha mídia. Desde Seattle, quando manifestações contra a rapina imperial foram convocadas basicamente pela internet, este fenômeno chama a atenção dos atores sociais. De lá para cá, o acesso à rede só se ampliou – no mundo e no Brasil.

Uma arma poderosa

Nas recentes convulsões populares no mundo árabe, que derrubaram os ditadores da Tunísia e do Egito – sempre tratados como “amigos do Ocidente” pela mídia tradicional – a internet foi uma arma poderosa. Ela não produziu as “revoluções”, mas ajudou a detoná-las. Agora mesmo, na Líbia, há uma guerra de informações da globosfera, acompanhada da real e sangrenta guerra dos mísseis. A internet faz parte hoje da guerra, virtual e real, que se trava nas sociedades. Não dá para desconhecer esta nova realidade.

Os meios tradicionais de comunicação, hegemonizados por poucas corporações – no máximo 40, segundo recentes estudos sobre a crescente monopolização da mídia mundial –, não detêm mais o monopólio da informação. Os avanços tecnológicos abriram brechas, mesmo que temporárias, nesta frente estratégia da luta de idéias. Jornais e revistas da oligarquia estão falindo devido ao maior acesso à internet. Mesmo as redes televisão sofrem com a migração para este novo meio, principalmente da juventude.

A força da blogosfera

No Brasil, esta realidade é bem palpável. Nas eleições presidenciais de outubro passado, a chamada blogosfera progressista jogou papel de relevo na encarniçada disputa. As manipulações dos impérios midiáticos, que se transformaram em cabos eleitorais do candidato da direita, foram desmascaradas online pela internet. No auge da campanha fascistóide, de baixarias e de falsos moralismos, os blogs independentes atingiram mais de 40 milhões em audiência, segundo pesquisa recente.

O impacto foi devastador. José Serra, o candidato do Opus Dei e o preferido do império, conforme telegrama vazado pelo WikiLeaks, usou vários palanques para atacar o que ele chamou, pejorativamente, de “blogs sujos”. Já o presidente Lula, sofrendo violento cerco da ditadura midiática, produziu vídeo para estimular a produção independente dos blogueiros. Na guerra de informações, a internet foi decisiva para desmascarar a direita e para mostrar o real significado da candidatura lulista de Dilma Rousseff.

Passos na organização dos blogueiros

Neste intenso processo da luta de classes, com a centralidade a batalha eleitoral, a blogosfera progressista deu os primeiros passos para a sua organização no Brasil – de forma autônoma. Em agosto passado, mais de 330 blogueiros e twitteiros realizaram o seu primeiro encontro nacional, em São Paulo. Neste evento histórico, eles decidiram lutar pela democratização da comunicação, contra qualquer tipo de censura à internet, e por políticas públicas de incentivo à pluralidade e à diversidade informativas.

Fruto deste encontro histórico, os blogueiros progressistas quebraram a monopólio da mídia tradicional e realizaram a primeira entrevista coletiva com um presidente da República, Lula, em novembro passado. A velha mídia até tentou desqualificar o evento inédito, numa crise de “ciúme” ridícula. Na prática, ela sentiu o baque de uma mudança de paradigma que está em curso. Parafraseando o revolucionário italiano Antonio Gramsci, a coletiva com Lula evidenciou que “o velho está morrendo e o novo ainda não acabou de nascer”.

Os desafios do futuro

O segundo encontro nacional de blogueiros progressistas está agendado para junho próximo, em Brasília. Nele não haverá mais o fator galvanizador que estimulou o primeiro – a luta contra a mídia golpista, que se transformou no “partido do capital” durante o pleito presidencial. O desafio será encontrar novos pontos de unidade na enorme diversidade existente na rede. Sem verticalismo e estruturas hierarquizadas, este movimento amplo e plural tem muito a contribuir na luta pelo avanço da democracia no Brasil.

Os blogueiros progressistas, que hoje já constituem uma vasta e influente rede no país, podem amplificar a luta pela democratização dos meios de comunicação. Está na ordem do dia o debate sobre o novo marco regulatório da mídia, que garanta a verdadeira liberdade de expressão para os brasileiros – e que não se confunde com a “liberdade de empresa” dos monopólios midiáticos. Também está em curso a discussão sobre a liberdade na internet, com investidas da direita contra este direito libertário.

Além de interferir nestas batalhas estratégicas, os blogueiros precisam ampliar sua capacidade de interferir na luta de idéias contra-hegemônicas na sociedade. É preciso que “floresçam mil flores”, que surjam mais e melhores blogs independentes, garantindo maior diversidade e pluralidade informativas. É urgente também qualificar os nossos instrumentos, produzindo conteúdos jornalísticos de qualidade. Para isso, é preciso encontrar caminhos de sustentação financeira da blogosfera, que potencializem essa nova militância virtual.

Riscos de retrocesso

A internet abriu brechas para novas vozes se expressarem na sociedade. Mas ela não deve ser idealizada. Quem detém maior audiência são os portais de notícia e entretenimento dos mesmos grupos midiáticos. A publicidade, que cresce na rede (nos EUA, ela superou pela primeira vez na história os anúncios nos jornais impressos), é totalmente sugada pelos barões da mídia. Ou seja: a internet é um campo de disputa. Sem ampliar e qualificar sua produção, a blogosfera progressista será derrotada, falará para seus nichos.

Além disso, a tecnologia não é neutra. Os monopólios da comunicação, que tornam reféns vários governos, já estudam mecanismos para cercear a liberdade na rede. Barack Obama, que a cada dia se revela um falso democrata, já enviou ao Congresso dos EUA um projeto para “vigiar” a internet. No Brasil, um parlamentar do bloco neoliberal-conservador, Eduardo Azeredo (PSDB), também se apressou em copiar o império e já apresentou projeto para abortar a neutralidade na rede. Os embates neste campo tendem a crescer.

Fonte: Blog do Miro - http://altamiroborges.blogspot.com/

Sobre as comemorações dos 90 anos do Partido Comunista do Brasil

Sobre as comemorações dos 90 anos do Partido Comunista do Brasil

No ano próximo, em 2012, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) completará 90 anos de fundação e de atuação ininterrupta na história do país. O documento "PCdoB rumo aos 90 anos" deflagrou os preparativos das comemorações deste acontecimento de alto significado para a luta dos trabalhadores e para a democracia brasileira. Este destaque vem do legado de sua longa trajetória e pelo que representa para o presente e o futuro da nação.

Uma agenda diversificada de atos, conferências, palestras, festas e publicações será realizada. Essa agenda deverá evidenciar que se sagrou vitoriosa a jornada de 90 anos para vincar no Brasil uma corrente marxista-leninista, revolucionária e direcionada a realidade nacional. Êxito que se expressa no papel político relevante que o Partido desempenha na atualidade e no seu Programa, que traça um rumo e um caminho para o Brasil dar um salto na sua construção. O rumo é o socialismo renovado e enriquecido pela história e o caminho é o fortalecimento da Nação com a realização de um Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento.

As comemorações darão visibilidade ao rico elenco de lutas que resultou em conquistas para os trabalhadores e à Nação. Legado que é fruto de gerações e gerações de comunistas nas quais estão presentes muitos heróis do povo brasileiro. O PCdoB se orgulha de ser herdeiro e continuador da saga heróica iniciada em 25 de março de 1922 pelos seus arrojados e intrépidos fundadores. E homenageará as lideranças de todas as gerações que o edificaram.

As comemorações também irão ilustrar que – no decorrer de seu itinerário– a legenda comunista fincou raízes no solo pátrio e sua face foi ganhando as feições do povo brasileiro com sua cultura de criatividade, alegria, bravura e resistência. Fato que se demonstra com seus vínculos crescentes com os trabalhadores, a juventude e as mulheres. Além do valor que atribui à sua relação com a intelectualidade avançada e com o mundo da ciência e da cultura.

As comemorações terão duas etapas. Primeira. Rumo aos 90 anos: preparativos e primeiros lances. Período que vai das comemorações do octogésimo nono aniversário até o final de 2011. Segunda. Agenda de comemorações. Período que se inicia em 1º de janeiro de 2012, tem o ponto alto em março de 2012 com destaque para possivelmente dois grandes eventos nacionais. Os atos estaduais e municipais, que se estendem às convenções eleitorais que devem também ser alusivas aos 90 anos e outras iniciativas que devem se projetar até o final do ano. Uma campanha de finanças específica para viabilizar essa agenda comemorativa deve ser deflagrada.

Por tudo que representa o PCdoB, a comemoração não é só dos comunistas, é do povo, dos trabalhadores, e de todas as forças e personalidades democráticas do país com as quais o PCdoB tem saudável convivência. É motivo de júbilo para as próprias instituições da República e de suas unidades federadas.

O Partido, desde o Comitê Central a todas as organizações partidárias, deve, a partir de agora, ter no alto de suas prioridades as comemorações dos 90 anos. Este acontecimento daqui por diante deve emular o coletivo militante a redobrar sua dedicação e a se armar de entusiasmo para realizar com vitórias as tarefas que se tem pela frente.
Daqui até março de 2012 os comunistas têm muitas lutas para enfrentar, mas também junto com o povo e seus aliados e todos os democratas terão uma colheita farta para celebrar e festejar!

São Paulo, 20 de março de 2011.

O Comitê Central do Partido Comunista do Brasil-PCdoB.

Resolução do Comitê Central do PCdoB sobre a situação econômica

Resolução do Comitê Central do PCdoB sobre a situação econômica

Avançar nas mudanças econômicas necessárias para um projeto nacional de desenvolvimento soberano e democrático

Resolução da 6ª reunião do Comitê Central do PCdoB sobre a situação econômica do Brasil
A economia mundial vem passando por grandes alterações desde a grande crise econômica e financeira que assolou o planeta entre 2007 e 2009. Os países de capitalismo desenvolvido encontram muitas dificuldades para voltar a crescer. Alguns prosseguem mergulhados na estagnação e outros em recessão. Como é de costume, eles procuram transferir o peso da crise para as economias dos países em desenvolvimento, particularmente o ônus da gigantesca dívida que seus Estados contraíram. Os EUA deflagraram uma verdadeira guerra cambial contra as economias que procuram se afirmar no cenário internacional. Capitais sobrantes dos países ricos inundam o mundo em busca de valorização. Na tentativa de sair dos impasses, dívidas e desequilíbrios por que passam os EUA praticam uma política monetária extremamente frouxa, com juros que estão próximos de zero, ou mesmo negativos, fazendo ainda emissões sucessivas de montanhas de dólares.

Os países em desenvolvimento, que recentemente passaram a ser o centro dinâmico da economia mundial voltam a crescer, mas enfrentam pressões inflacionárias, especialmente através de ondas especulativas sobrepostas à alta dos preços das commodities e alguns deles apresentam déficits em suas contas correntes.

Em 2010 a economia do Brasil superou a crise e voltou a crescer. Milhões de empregos foram gerados. O país, com sua matriz energética variada, fortaleceu-se com as descobertas do Pré-sal e com a política que vem sendo adotada para a sua exploração. No entanto, o governo continua a praticar a taxa de juros mais alta do mundo. Sua moeda, o Real, bate recorde de valorização, tornando mais onerosas as exportações brasileiras, fazendo com que setores industriais sejam desativados. Bilhões e bilhões de dólares entram e saem quase livremente no país, num jogo especulativo que traz grandes prejuízos à economia nacional e ao povo brasileiro. Os déficits crescentes nas contas correntes trazem de volta a vulnerabilidade externa e a necessidade de recorrer à poupança externa para que se obtenha o equilíbrio do balanço de pagamentos. Os juros da dívida pública, com os quais se refestelam principalmente os banqueiros, constituem um fardo pesadíssimo que recai sobre os ombros dos trabalhadores.

Estes fatores somados podem vir a prejudicar os esforços de crescimento da economia brasileira, a dificultar a elevação de sua taxa de investimentos e a ralentar a marcha do combate à miséria pretendido pelo governo.

Desta forma, mantendo a coerência sobre a necessidade de redirecionar a política macroeconômica, orientação afirmada desde o período dos governos Lula, o PCdoB oferece elementos para a construção de uma alternativa, no sentido de que o novo governo de Dilma Roussef possa enfrentar esta situação e dar sustentação a um novo projeto nacional de desenvolvimento, soberano, democrático, de bem-estar para o povo e de integração regional.

Uma atualização das propostas que o PCdoB tem feito, indica como necessário:

* Adotar medidas alternativas de combate à inflação aumentando a oferta de produtos e, ao mesmo tempo, procurar restringir o endividamento das famílias;
* Avançar pelo caminho na superação da má distribuição de renda e da valorização do salário;
* Caminhar em sentido inverso, promovendo a redução da taxa de juros a fim de beneficiar os investimentos e diminuir as despesas com os juros da dívida pública;
* Perseguir a meta de taxa de investimentos correspondente a 25% do PIB;
* Taxar pesadamente e estabelecer a quarentena para os investimentos externos especulativos, agindo no sentido de controlar as flutuações no câmbio, estabelecendo metas para a taxa de câmbio capazes de promover o desenvolvimento nacional, defendendo a moeda nacional na guerra cambial que ora se trava;
* Preservar os investimentos previstos no PAC dos cortes orçamentários;
* Consolidar o BNDES como instituição de fomento aos investimentos;
* Promover uma reforma tributária que atue no sentido de desatar o nó da alta regressividade do sistema atual;
* Avançar no sentido de responsabilizar o Banco Central não só como autoridade monetária, mas também como instituição responsável pelo crescimento econômico e pela geração de emprego;
* Estimular ainda mais o comércio e os investimentos sul-sul com base na reciprocidade e vantagens mútuas;
* Apoiar a proposta de que o Real e outras moedas de emergentes passem a fazer parte da cesta de moedas que serviriam de referência aos Direitos Especiais de Saque do FMI (além das 4 da atual cesta), de forma a diluir o peso do dólar como moeda de referência internacional.

São Paulo, 20 de março de 2011.
O Comitê Central do Partido Comunista do Brasil.

PCdoB reúne Comitê Central propondo reforçar identidade comunista

PCdoB reúne Comitê Central propondo reforçar identidade comunista

O Comitê Central do Partido Comunista do Brasil iniciou neste sábado (19) a sua sexta reunião plenária, com uma vasta agenda política e organizativa. O evento se encerra no domingo.
Reforçar a identidade comunista do PCdoB, acentuando suas fronteiras e demarcações com as ideias social-democratas, reafirmando a luta pelo socialismo e o protagonismo partidário como instrumento das mudanças e da revolução, com um consistente crescimento eleitoral, ligação do partido às massas trabalhadoras e populares participando intensamente das suas lutas – este foi um dos aspectos salientes da intervenção de abertura do presidente do partido, Renato Rabelo, na sexta reunião do Comitê Central do 12º congresso, a primeira sob o governo Dilma.

No informe político, o dirigente chamou ainda à constituição de direções estáveis e coesas, ao reforço do caráter militante do partido, à consolidação de uma militância consciente, combativa e organizada. “Sem partido forte, as vitórias são improváveis e os êxitos efêmeros”, disse, lembrando que as comemorações dos 90 anos do PCdoB, em 2012, devem constituir-se num marco importante para reavivar esses conceitos.

Obama, chefe do imperialismo

O presidente do PCdoB reafirmou a posição do partido sobre a visita que Barack Obama faz ao Brasil neste final de semana. “Embora o presidente dos Estados Unidos diga que chega em nome de abrir uma nova etapa nas relações com o continente, o imperialismo estadunidense não mudou essencialmente a sua política. Os comunistas brasileiros não têm ilusões sobre o que o presidente Obama representa. Trata-se do chefe de Estado e de governo da principal potência imperialista, inimiga principal dos povos de todo o mundo.

O PCdoB condena a intervenção militar na Líbia e deplora a recente resolução do Conselho de Segurança da ONU que abre caminho nessa direção, “uma resolução agressiva imposta por potências imperialistas”, disse Renato.

Tarefas dos comunistas

A direção nacional tem uma ampla agenda e vários documentos sob deliberação neste final de semana: uma resolução propondo mudanças econômicas para assegurar um projeto nacional de desenvolvimento soberano e democrático; um documento comemorativo do 89º aniversário do partido, que transcorre no próximo dia 25, seguido de propostas para as celebrações do 90º aniversário em 2012 e a convocação do 7º encontro nacional sobre questões de partido, para os próximos dias 15 a 17 de abril.

Entre as tarefas e desafios em debate na direção do PCdoB destacam-se o apoio ao governo da presidente Dilma, mobilizando os movimentos sindical, popular, estudantil e o conjunto dos movimentos sociais, para que o país avance no rumo das mudanças e da realização de reformas estruturais; contribuir para a união da ampla e heterogênea base de sustentação do governo também no sentido da realização de mudanças progressistas no País; construir um projeto eleitoral para 2012 que assegure a continuidade da acumulação de forças do partido nessa frente; difundir e defender o programa socialista do partido aprovado no 12º congresso; fortalecer e expandir o partido em todos os domínios; lutar pela reforma política democrática e pelas reformas estruturais; e contribuir para a aprovação de um Código Florestal que equacione com equilíbrio a produção e a proteção do meio ambiente.

Um partido vivo




A semana passada foi repleta de atividades no PCdoB-Campos, realizamos plenária de pré-candidatos, debatemos a participação no Congresso Nacional de Associação de Moradores (Conam) e realizamos o Curso Básico de Vídeo. Todas as atividades ocorreram na sede do partido.




Plenária de pré-candidatos às eleições 2012

Na quinta-feira (17), na sede do partido, numa plenária gloriosa com a presença de cerca de 50 pessoas, entre filiados, simpatizantes e dirigentes do PCdoB, lançamos nossa chapa para as eleições proporcionais municipais. Na próxima eleição, o PCdoB virá com uma forte nominata, aproveitando as condições favoráveis para eleger vereadores. Inicialmente, a nominata constará com um número de 36 candidatos em chapa própria, número bem próximo de ser fechado, beneficiado pela evidência e crescimento do partido nos últimos anos. Esse planejamento inicial poderá ser modificado, devido a fatores como possível coligação, entre outros.


PCdoB-Campos debate congresso do Conam

O Comitê Municipal do PCdoB de Campos se reuniu no dia 18, em sua sede, para debater as ações dos movimentos sociais na cidade e a mobilização do partido para o congresso da Conam.

A Camarada Odete, presidente municipal do PCdoB, fez a abertura da reunião e o secretário municipal de Movimentos Sociais do Partido, Marcelo Soares, abriu o debate no sentido de fortalecer o projeto do PCdoB no município.

Em seguida, foi a vez do diretor da Conam e secretário de Movimentos Sociais do PCdoB da Capital, Paulo Cesar, reafirmar as orientações do 12º congresso, o fortalecimento da rede da secretaria de Movimentos Sociais e as tarefas dos congressos da Conam e da Unegro. O primeiro já está em curso, as plenárias municipais tiveram início no dia 14 de fevereiro e vai até o dia 30 de abril, com a eleição dos delegados que irão representar os estados na plenária final, de 26 a 29, em Praia Grande (SP).

Os camaradas dissertaram sobre o tema “Consolidar as Conquistas para aprofundar as Mudanças”. No final, a direção se comprometeu em contribuir efetivamente para o êxito das tarefas em curso.

Nos dias 22 e 23 de abril haverá nova plenária municipal do movimento comunitário de Campos.

Curso Básico de Vídeo

No sábado, dia 19/03/2011, aconteceu na sede do PCdoB Campos o Curso Básico de Vídeo, que contou com a presença de pré-candidatos e lideranças. O curso foi administrado pelo Prof. Marcelo Soares e pela Professora Odete. No curso foi discutido a história do PCdoB, a história de formação da classe operária, a conjuntura nacional e internacional e as tarefas do PCdoB de Campos.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Esquerda no Rio se prepara para 2012: PCdoB lançará candidato a prefeito em Petrópolis.

Do blog Fatos Sociais

Seguindo orientação de sua direção estadual expressa em nota no dia 11 de dezembro de 2010, a direção municipal do PCdoB acaba de anunciar que disputará a prefeitura de Petrópolis em 2012.

Apesar de ainda não ter definido, o nome do partido para disputar a prefeitura deverá ser o do professor Renato Freixiela. Em 2010 Freixiela obteve 8.337 votos em Petrópolis, 5,20% dos votos, sendo 4º lugar dentre os candidatos a deputado federal residentes na cidade.

Além da candidatura à prefeitura o partido deverá ter chapa própria para vereadores.

“O objetivo desse novo passo é apresentar um caminho alternativo aos petropolitanos”, ressaltou Renato Freixiela, presidente do partido no município.

Para a dirigente Drica Madeira, um partido que não entra em eleição majoritária é visto como pequeno. “O PCdoB aqui na cidade é forte e temos potencial para aumentar a sigla com novas filiações”, completa. Drica deverá ser a puxadora de votos da legenda em 2012.

Secretário Geral do Instituto Luiz Carlos Prestes e diretor da Fundação CEPERJ, o recém filiado Marcus São Thiago, mostra seu otimismo com a decisão de Freixiela: “Essa é uma oportunidade para que o PCdoB mostre sua força no município. Petrópolis seguirá para o desenvolvimento”.

domingo, 20 de março de 2011

CBV EM CAMPOS DOS GOYTACAZES

No sábado, dia 19/03/2011, aconteceu na sede do PCdoB Campos o Curso Básico de Vídeo, que contou com a presença de pré-candidatos e lideranças. O curso foi administrado pelo Prof. Marcelo Soares e pela Professora Odete. No curso foi discutido a história do PCdoB, a história de formação da classe operária, a conjuntura nacional e internacional e as tarefas do PCdoB de Campos.

PCdoB CAMPOS PROMOVE REUNIÃO SOBRE MOVIMENTOS POPULARES

No dia 18/03/2011 (sexta), aconteceu uma reunião com lideranças do movimento popular, com a presença da Professora Odete presidente do PCdoB Campos, Professor Marcelo Soares vice presidente do PCdob Campos e PC da direção da CONAM, onde foi discutido os problemas de Campos como Habitação, Saúde, Educação e Transporte Público.

terça-feira, 15 de março de 2011

PCdoB promove plenária de pré-candidatos às eleições 2012



Em sua última reunião, a Direção Municipal do PCdoB, debateu pontos relevantes da conjuntura local, visando o caminhar do partido nos próximos anos. Entre os pontos, a plenária de pré-candidatos às eleições 2012. Nesta, os filiados e simpatizantes terão a oportunidade de conhecer os prés-candidatos e o debate será promovido. Além da reafirmação do partido para com a população de um projeto sério e de desenvolvimento para Campos.
A plenária será realizada nesta quinta-feira (17), às 18h, e ocorrerá na sede do PCdoB (Avenida 28 de Março, 59, 1º andar - Ao lado do ISEPAM, altos da Terapêutica).

quinta-feira, 3 de março de 2011

Rio tem a segunda menor taxa de desocupação do país

Estudo do Observatório de Emprego e Renda, da Secretaria estadual de Trabalho e Renda, baseado em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou que a Região Metropolitana do Rio é a segunda com a menor taxa de desocupação do país.

De acordo com a pesquisa, em janeiro de 2011, o índice ficou em 5,1%, mantendo-se estável nos comparativos mensal e anual. O primeiro lugar ficou com Porto Alegre, cuja taxa ficou em 4,2%.

No grupamento de atividades, a maioria dos setores manteve produção estável, com destaque para Serviços que teve alta de 7,3%.

Na comparação a janeiro de 2010, houve crescimento do rendimento para todos os trabalhadores, com destaque para os empregados sem carteira assinada no setor privado e os trabalhadores por conta própria, cujos aumentos foram de 23,3% e 17%, respectivamente.