quarta-feira, 31 de março de 2010

Ricardo Stuckert/ABr

Ao se despedir, Dilma manda recado à oposição e diz "até breve"


Clique na frase acima.

É Tempo de Páscoa, é tempo de...

"Tempo de meditar, de buscar, de agradecer, de plantar a paz.

Tempo de oração!!!

Tempo de abrir os braços, de abrir as mãos e de ser mais irmão.

Tempo de recomeçar!

Tempo de concessão, de compromisso, de salvação. Tempo de perdão.

Tempo de libertar, de libertação, de passagem, de passar...

Para onde? Para a luz, para o amor, para a vida que é eterna!

Tempo de Ressurreição"

Boa Páscoa a todos!

Após piso, professores reivindicam planos nacionais de carreira

Após a aprovação de um piso nacional do magistério, movimentos sindicais defenderam hoje (30/3) na Conferência Nacional de Educação (Conae) que sejam criados planos nacionais de carreira. Na avaliação da conselheira nacional de educação e presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, a educação brasileira está “fragmentada e sem organicidade”.

“Os planos de carreira são bastante distintos, em alguns lugares ele nem existe. Com isso temos diferenciação muito grande de salários que geram duplicação de jornadas e colocam o professor em uma situação de vulnerabilidade social”, defendeu.

Maria Izabel atacou as políticas de bônus utilizadas por alguns estados como São Paulo para premiar os professores com melhor desempenho em avaliações institucionais. Desde o início do mês, os professores paulistas estão em greve.

Os participantes do colóquio também discutiram os problemas de implantação da lei que estabeleceu um piso nacional para professores da rede pública. Apesar de ter sido aprovada em 2008, a proposta está sendo questionada no Supremo Tribunal Federal (STF) por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade que foi impetrada por cinco estados.

Dois pontos específicos da lei estão sendo questionados por esses governadores. O primeiro é a proposta que determina que 30% da carga horária dos professores deve ser utilizada em atividades de planejamento e estudos, o que é questionado por algumas secretarias de educação.


Undime também defende piso

De acordo com o representante da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), José Adinam Ortolan, a implantação desse princípio legal corresponderia à contratação de um alto número de professores nas secretarias. Apesar do aumento das despesas, ele afirmou que entidade defende a implantação do piso em todo o país.

“Nós precisamos buscar uma solução jurídica e política para a implantação do piso para todos os trabalhadores da educação. Não há como melhorar o ensino se não recuperarmos o valor que tem a figura do professor, seja no seu salário ou nas condições de trabalho.”, afirmou.

O outro ponto polêmico da lei diz respeito ao entendimento do piso como vencimento inicial: alguns estados querem incluir gratificações e outras bonificações na conta para atingir o valor determinado pela lei, atualmente de R$ 1.024.

“O piso é remuneração inicial, se juntar tudo para transformar em piso você acaba não valorizando ninguém. Precisamos aguardar o posicionamento do STF sobre essa questão”, disse.


Piso é constitucional

Para a representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), Juçara Maria Dutra Vieira, o piso é constitucional. “Por causa da ação de inconstitucionalidade proposta por cinco estados, muitos entes se aproveitaram para não pagar o piso, mas isso já foi declarado constitucional pelo STF”, disse.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) 4.167, a que Juçara se referiu, questiona alguns aspectos da lei do piso, como a destinação de um terço da jornada de trabalho dos professores voltada ao planejamento de aulas fora da escola. A Adin foi impetrada pelos governadores de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e Ceará.

Os participantes também defenderam a criação de um piso para os outros trabalhadores de estabelecimentos de ensino, que poderia ter como base a lei do piso nacional do magistério.


Avaliação

Outra medida discutida pelos debatedores para valorizar os profissionais da educação foram os critérios de avaliação. “Defendemos uma avaliação que não seja só para o professor, mas também para o gestor, porque, hoje, o que ocorre, é que se a educação vai bem é por causa da boa gestão, mas, se vai mal, é culpa do professor”, acredita Maria Izabel. De acordo com ela, a avaliação deve permitir a revisão da política pedagógica da escola e a reformulação de propostas de governo.

Para a representante da CNTE, Juçara Vieira, o professor tem medo da avaliação porque, em geral, ela é punitiva. “Mas isso precisa ser revisto para que a avaliação ajude a melhorar o desempenho de alunos, professores e gestores”.

Da redação, com Agência Brasil e MEC

terça-feira, 30 de março de 2010

Termina hoje as inscrições para o concurso da Educação de SJB

Blog do Dignidade.

Escolas estaduais vão parar nesta quarta-feira (dia 31 de março) e profissionais de educação farão passeata no centro do Rio

Os profissionais de educação das escolas estaduais farão uma paralisação de 24 horas, nesta quarta-feira, dia 31 de março. Pela manhã, a categoria fará uma passeata da Candelária até a Alerj, com concentração marcada para as 10h na Candelária. Na Alerj, será realizado um ato nas escadarias para marcar o lançamento da campanha salarial 2010 dos professores e funcionários das 1.640 escolas que compõem a rede estadual. O Sepe quer que os deputados estaduais intervenham no processo de negociações com o governo estadual, que não investe na educação o que determina a Constituição Federal.

A categoria reivindica a recomposição das perdas salariais de mais de 60% nos últimos 10 anos – promessa feita pelo então candidato a governador Sérgio Cabral, em 2006 e, até hoje, não cumprida - além dos seguintes itens da pauta de reivindicações já entregue para o governo do estado: descongelamento do plano de carreira dos funcionários administrativos e incorporação integral e imediata da gratificação do programa Nova Escola – a gratificação, cujo valor máximo é de R$ 500,00, começou a ser incorporada ano passado e só será finalizada em 2015. Hoje, o piso de um professor estadual é de R$ 584,00 e o do funcionário administrativo é de R$ 415,00.

Assembléia à tarde e baile de confraternização à noite

A partir das 14h, a categoria se reúne em assembléia no auditório da ABI (Rua Araújo Porto Alegre, 71 – Centro) para discutir os rumos da mobilização por reajuste salarial e melhores condições de trabalho.

O Sepe Campos enviará ônibus para o Rio amanhã. O profissional que estiver interessado poderá ligar para Silvana Carneiro (99955542), uma das diretoras do Sepe, confirmando o nome.

A partir das 20h, o Sepe convida todos os profissionais de educação das redes públicas e amigos que participaram ou participam da luta pela educação pública e de qualidade para um grande baile de confraternização, lançamento da Campanha Salarial 2010 e de comemoração pela conquista do Registro Sindical do Sepe. O baile será realizado na Galeria dos Empregados do Comércio, na Avenida Rio Branco 120 - Sobreloja - Centro.

Notícias da CONAE - Papel das famílias garante o desempenho de filhos na escola

Segunda-feira, 29 de março de 2010 - 20:20
Atitudes simples dos pais, como conversar com os filhos e acompanhar o dever de casa, podem influenciar substancialmente a vida escolar de meninos e meninas. A constatação é do professor Cláudio de Moura Castro, que participou do colóquio Processos Educativos, Ampliação do Atendimento da Educação e Tecnologias da Informação. O debate ocorreu nesta segunda-feira, dia 29, durante a Conferência Nacional de Educação (Conae), em Brasília.

O professor fez uma comparação entre hábitos familiares em países asiáticos como Coréia e Japão e no Brasil. De acordo com ele, o desempenho acima da média dos alunos desses países, em avaliações internacionais como o Pisa, está intimamente relacionado ao envolvimento dos pais no acompanhamento da vida escolar dos filhos.

“Entre 70% e 80% dos resultados escolares se deve a fatores ligados à família”, avaliou. De acordo com Cláudio, no Japão e na Coréia os pais gastam cerca de 30% de seu orçamento com a educação dos filhos – mesmo que os sistemas de educação desses países seja público – ao pagar, por exemplo, aulas de reforços. “Isso é mais do que esses governos gastam com as escolas públicas.” Segundo o professor, 83% dos alunos da Coréia estão em cursos de reforços.

Outro ponto considerado positivo pelo pesquisador é que os alunos coreanos, além de terem aulas de reforço, passam mais tempo na escola: cerca de dez horas, contra cinco dos brasileiros. “Eles também lêem mais e vêem menos televisão do que os brasileiros”, disse. De acordo com ele, no Brasil, em média, os estudantes, quando estão em casa, passam quatro horas em frente à tevê e apenas uma estudando.

Para ajudar o filho a melhorar o desempenho, aconselha o pesquisador, bastam medidas simples como acompanhar o dever de casa, incentivar a leitura nas férias e conversar muito com os filhos. “O pai tem que saber o que ocorre na escola e o acompanhamento do dever de casa é o diálogo do pai com a escola”, acredita.

De acordo com as pesquisas de Cláudio, os pais que ajudam com o dever, verificam as correções dos professores e conversam bastante com os filhos, mesmo sobre assuntos não ligados à escola, mostram interesse pela vida dos filhos e incentivam uma rotina de estudos, influenciando positivamente no desempenho escolar. É o que ocorre na Coréia e no Japão, onde, segundo o professor, há uma profunda crença de que o estudo pode melhorar substancialmente a vida das pessoas.

Mentira tem perna curta

Como é que o Governo Municipal está impedido de receber recursos do Governo Federal se no ano passado a Prefeitura de Campos recebeu do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate a Fome, mais de R$ 2,47 milhões?
Como pode haver pendência em prestação de contas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil ainda de 1999, se em 2004, quando deixei a secretaria de Desenvolvimento Social, todos os recursos para o programa haviam sido repassados? Além de ter sido considerado na época o município modelo na execução do PETI?
Assim a Prefeitura de Campos quer desmoralizar o SIAF(Sistema Integrado da Administração Financeira ) A tranferência de recurso na área da Assistência é feita Fundo a Fundo mediante consulta ao Sistema.


Leia toda a matéria no blog Estou Procurando o que Fazer.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Notícias da CONAE onde Professora Odete marca presença

Professora Odete encontra-se em Brasília participando da primeira edição da Conferência Nacional da Educação.
Ela afirma que "que a nossa luta é por uma educação de qualidade, democrática e emancipadora", e por isso sempre confirma presença nos principais eventos relacionados à Educação, dando sua contribuição e conhecendo os novos rumos que estão sendo traçados. 
Leia aqui as primeiras notícias vindas da conferência:


Primeiro painel propõe a criação de um sistema nacional para a educação


http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=15241
Segunda-feira, 29 de março de 2010 - 14:16


Universidade pública gratuita e de qualidade, educação sem homofobia, 50% dos fundos do pré-sal para educação, implantação efetiva do pisosalarial pelos estados.
As faixas com solicitações forraram o auditório principal do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. Vindos de todo o país, 2 mil delegados trouxeram sugestões e conceitos para a primeira Conferência Nacional de Educação(Conae).


A Conae é uma consulta pública. Os delegados representam seus estados e municípios. No final do evento, na próxima quinta-feira, 1º deabril, será formulado um documento que subsidiará as políticas públicas de educação no país. O painel de abertura do evento – Construindo o sistema Articulado de Educação: o plano nacional de educação, diretrizes e estratégias de ação – trouxe uma questão central. A exemplo do que acontece na saúde, com o Sistema Único de Saúde (SUS), a sugestão é criar também um sistema nacional para a educação.
Um dos debatedores do tema, Demerval Saviane, defendeu que o financiamento não dependa da adesão aos programas. “Teríamos mais autonomia se a liberação de recursos não dependesse da adesão”, argumentou.
Para a conselheira Regina Vinhaes, da Universidade de Brasília (UnB), o sistema nacional articulado de educação deve levar em consideração dívidas históricas da sociedade. “Fomos colônia, escravocratas e ainda hoje somos dependentes”, afirmou.
Já o deputado Carlos Abicalil (PT-MT) acredita na mobilização da sociedade para uma educação melhor.“Lembremos de Paulo Freire e de sua frase célebre: vamos encher o Brasil de marchas”, pontuou.
As muitas vozes e sugestões marcaram este primeiro painel. A conferência segue até quinta-feira, dia 1º. Serão 52 colóquios e mesas-redondas.
Os debates são transmitidos ao vivo pela TV MEC, a partir das 8h30.

CTB é a terceira maior central do Brasil

Agora é oficial. A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), com apenas dois anos de existência, é a terceira maior central sindical do país. O despacho do Ministro do Trabalho, Carlos Lupi que traz esta informação, foi publicado nesta segunda-feira (29/03) no Diário Oficial da União (DOU).


Nesta segunda-feira (29/3), foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) o balanço de representatividade das centrais sindicais e a CTB já está em terceiro lugar. Fundada em dezembro de 2007, a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) é a mais nova dentre as seis centrais sindicais que atuam no país. Contudo, sua ideologia classista, plural e democrática, rapidamente vem ganhando espaço no cenário sindical nacional.

O balanço divulgado afere a representatividade das centrais, a partir da análise dos índices de sindicalização dos sindicatos filiados às centrais sindicais, conforme determina a Lei 11.648, de 2008, que dispõe sobre o reconhecimento formal das centrais sindicais. Para garantir reconhecimento oficial e ter direito ao recebimento do repasse do imposto sindical, uma central tem que atingir ao menos 5% de representatividade.

O balanço divulgado no DOU revela o índice de representatividade de cada uma das seis centrais atualmente regulares no Brasil: a Central Única dos Trabalhadores (CUT) permanece como a maior central, tendo 38,23% de repsresentatividade segundo os critérios da lei. Em seguida, vem a Força Sindical, com 13,71%. A CTB consolida-se como a terceira maior central do país, embora seja a de fundação mais recente, com o índice de 7,55% de representatividade. A União Geral dos Trabalhadores (UGT) atingiu o índice de 7,19%, a Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), 6,69% e a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) passa perto do índice de corte, com representatividade de 5,04%.

Mais responsabilidade

Para o secretário geral da CTB, Pascoal Carneiro, a divulgação dessa representatividade em ano eleitoral, aumenta a responsabilidade da Central, pois as bandeiras de luta como: redução da jornada de trabalho, o fim do fator previdenciário, valorização do salário mínimo e das aposentadorias precisam ser intensificadas no sentido de contar com o maior apoio da opinião pública.

“Esse resultado faz com que a CTB se mobilize em todos os estados da federação, visando à elaboração de uma plataforma comum com outras centrais para, ativamente, pensar na Conferência Nacional da Classe Trabalhadora, que acontecerá 01 de junho, no estádio do Pacaembu, em São Paulo”, diz Pascoal.

Segundo o presidente da Central, Wagner Gomes, esse resultado é uma vitória da política classista da CTB, que é uma central plural e democrática. “Esse resultado serve de incentivo para continuarmos crescendo cada vez mais e lutando pela melhoria dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil”, e conclui “Vida longa a CTB”.


De São Paulo, Luana Bonone, com CTB

FOTOS III

Marcelo Soares,vice-presidente do PCdoB e seu filho Willian.

Já está em circulação o JORNAL MAIS EDUCAÇÃO CTB

Já está em circulação o Jornal Mais Educação da CTB.
Temos mais um instrumento de informação para toda a categoria da Educação, onde professores estarão mais atualizados sobre todas as questões que lhe envolvem.
A primeira edição traz notícias sobre Brasília, pré-sal, CONAE, Síndrome de Burnout, paralisação nacional dos professores, etc.
Também podemos ler uma entrevista com o professor José Carlos Madureira sobre os problemas e os novos desafios para a educação brasileira.

Destacamos o artigo escrito pela Professora Odete Rocha, intitulado "EDUCAR PARA TRABALHAR". No artigo ela diz que "na contrução deste projeto de desenvolvimento deve se ter como lema  a educação de qualidade. E os profissionais de educação precisam ser valorizados, com salários dignos, plano de carreira que realmente expressem esta valorização e que estes possam atuar em escolas que tenham as necessárias condições de trabalho!"

Os colaboradores do jornal são: Elaine Pernambuco, Fred Jr., João Jorge, José Carlos Madureira, José Luiz, Josenildo Mucio, Josimar (Pena), Márcio Franco, Maria José, Odete Rocha, Regina Celis, Sheila Monayar, Walter Cecchetto. A jornalista e diagramadora responsável é Priscila Sarmento.
O site do jornal, que em breve estará disponível, pois se encontra em construção, é www.jornalmaiseducacao.zip.net
Desejamos a todos os colaboradores sucesso nesta nova empreitada que com certeza muito contribuirá para a divulgação de toda a problemática presente no setor educacional.
NOSSA LUTA SEMPRE SERÁ POR UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, DEMOCRÁTICA E PARTICIPADORA!

Fundação Ceperj abre inscrições para 760 vagas na área de saúde do Rio

Prazo para disputar vencimentos de até R$ 7.500 termina em 18 de abril
Profissionais da área de saúde já podem se inscrever no processo seletivo da Organização Social Viva Comunidade, que oferece 760 vagas de níveis superior e médio, com vencimentos de até R$ 7.500. As inscrições podem ser feitas pelo site www.ceperj.rj.gov.br, da Fundação Ceperj (Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro), ou em sua sede, até 18 de abril. Os empregos públicos sob o regime jurídico CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) são para ingresso na Estratégia Saúde da Família (ESF), no Município do Rio de Janeiro.
Ao lembrar que este é o primeiro concurso que a Fundação Ceperj faz com uma organização social, o diretor de Concursos e Processos Seletivos da Ceperj, Marcus São Thiago, afirma que esta seleção deverá atrair milhares de candidatos devido ao grande número de vagas oferecidas dentro da ESF, em três importantes áreas programáticas. Ele explica que os candidatos aprovados e classificados serão contratados pela OS Viva Comunidade, atendendo às necessidades da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil e serão lotados nas Clínicas de Saúde da Família do Município do Rio. Os contratos terão a duração de dois anos, prorrogáveis por mais três.
As oportunidades estão distribuídas por cargos de nível superior para médico (com atuação como generalista na área de Saúde da Família ou Medicina de Família e Comunidade), enfermeiro, cirurgião-dentista e farmacêutico; e cargos de nível médio para técnico de enfermagem, auxiliar de saúde bucal, técnico de saúde bucal, técnico de farmácia e auxiliar administrativo. Os salários vão de R$ 810 a R$ 7.500, mais benefícios, para jornada de trabalho de 40 horas semanais.
O edital, ficha de inscrição, cronograma, número de vagas e as reservadas aos portadores de deficiência, qualificação mínima, quadro de provas, conteúdos programáticos, sugestões bibliográficas, roteiro para elaboração de currículo e formulário para entrega de títulos já estão na página da Fundação Ceperj. Mas antes de se inscrever, o candidato deverá se certificar de que preenche todos os requisitos, como sugere o diretor Marcus São Thiago.
As taxas custam R$ 60, para nível superior, e R$ 35, para nível médio, que podem ser pagas em qualquer agência bancária, por meio do boleto específico, emitido após a conclusão da ficha de inscrição on-line. Para os candidatos que não têm acesso à internet, a Ceperj disponibiliza posto de atendimento em sua sede, na Avenida Carlos Peixoto, 54, térreo, Botafogo, Zona Sul do Rio, nos dias úteis, das 10h às 16h.
Esta seleção pública promovida pela OS Viva Comunidade, para todos os empregos, constará de duas etapas: provas objetivas, de caráter eliminatório e classificatório, previstas para 16 de maio; e avaliação de títulos (análise de currículo), de caráter classificatório. A homologação é da competência da organização social e a validade é de um ano, podendo ser prorrogável por igual período.
Acesse o link e faça a sua inscrição:
http://www.fesp.rj.gov.br/concursos/viva/paginaviva.asp

domingo, 28 de março de 2010

175 anos, ainda falta muito

É, foi hoje... Num domingo como todos os outros que Campos dos Goytacazes completou 175 anos de elevação a cidade.

Uma cidade em que a Educação é colocada em segundo plano pelos governantes. Visto que escolas estão em reforma em pleno calendário escolar, enquanto crianças ficam em casa esperando suas unidades escolares estarem aptas ao uso. Outras unidades continuam sem material, sem cadeiras para os alunos, sem mesas para os professores.

Uma cidade em que a Saúde é sucateada pelos governantes. Onde um hospital relativamente novo, encontra-se em precárias condições de atendimento e as mulheres sofrem em busca de atendimento especializado.

Uma cidade em que a geração de Trabalho e Renda é praticamente inexistente, tendo em vista que estamos entre os 20 maiores PIBs do país. Onde o povo ainda sofre nos canaviais, sem qualquer controle por parte das autoridades. E muitas vezes os sinais da vida são estampados no rosto.

Precisamos nos livrar das amarras dos projetos demagogos, dos projetos personalistas construídos sobre a areia. Nós campistas temos e possuímos a capacidade de pensar e projetar uma Campos a médio e longo prazo. E estamos certos de que já iniciamos este caminho.

Gostaríamos de poder expressar somente a luta, a força e a vontade de mudança que sentimos por nossa cidade, por nosso município. Mas fica impossível, visto que comemoramos os 175 anos da mesma forma que comemoramos os 174, 173, 172,... Sem valorizarmos nossa história, sem valorizarmos nosso povo!

Lindberg Farias vence as prévias do PT do Rio para candidato a Senado

RIO - O prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias, foi declarado vencedor das prévias do PT para a escolha do nome que vai disputar uma vaga no Senado, derrotando a secretária estadual de Assistência Social Benedita da Silva.

O resultado foi anunciado há pouco, pelo presidente do diretório regional do partido, deputado federal Luiz Sérgio.

Dos 18.299 votos apurados (59,8% do total) até as 20h, 12.566 (68,9%) foram para o prefeito de Nova Iguaçu; a secretária tinha 5.661 (31,11%). As parciais indicavam ainda 42 votos em branco e 30 nulos.

- Eu não esperava a diferença tão grande, o resultado surpreendeu - disse o prefeito de Nova Iguaçu ao saber do resultado.

Cassio Bruno - Extra Online

FOTOS II

Festa de aniversário do PCdoB - FOTOS

O PCdoB de Campos representando na figura da nossa presidente Professora Odete Rocha e camaradas do partido, estiveram ontem no Rio participando do aniversário do partido.
Diversas autoridades marcaram presenças como o Ministro dos Esportes Orlando Silva, O Deputado Edmilson Valentin, a Secretária de Cultura do município Jandira Feghali, a Presidente do PCdoB Rio Ana Rocha e muitos outros. Representantes da CTB, UBM e UJS presentes. Foi uma grande festa!


Aproveitando o espaço aqui neste momento, já que estamos falando de festa, o PCdoB de Campos PARABENIZA A NOSSA QUERIDA CIDADE e toda a população campista pelo dia de hoje.
Cidade de povo guerreiro, trabalhador, de tantas riquezas, mas de muitas desigualdades! São 175 anos de muitos fatos marcantes. Marcantes em vários sentidos, principalmente em relação à política, que sempre deixou e ainda deixa a desejar. Mas fica registrado aqui que um futuro promissor para todos nós se aproxima, pois certamente ainda existe gente que faz a diferença, gente comprometida com o social, com o sentimento de igualdade social e justiça! Parabéns Campos! E viva o socialismo!


Veja agora momentos do festejo do aniversário do partido:


Comitiva do PCdoB-Campos composta por

Abud, América Rocha, Charles Santiago, Douglas Azeredo, Elizabeth Rosário, Flávia D’Angelo, Izabel Pimentel , Kelvin Klein, Luis Fernando Crespo, Professor Marcelo Soares, Professora Odete Rocha, Silvana Carneiro, Tatiana Rangel, Vera Maria Oliveira e Willian Soares.

Professora Odete RochaFlávia D'Angelo e Professora Odete conversando com Vera Tatiana Rangel, Jayme Ramos, Kelvin Klein, Douglas Azeredo e Izabel PimentelProfessora Odete e Jayme RamosJunto a MadureiraCom América Rocha e a coordenadora e Elizabeth Rosário Madureira e Professor Marcelo SoaresSilvana Carneiro e MadureiraElizabeth RosárioSilvio Henrique e Professora OdeteCom Uirtz